Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Associação quer reconstruir ‘Estaçãozinha’, abandonada e destruída após incêndio

BÁRBARA NÓBREGA MANGIERI | 25/10/2018 | 06:00

Um grupo de 43 pessoas está engajado em cobrar do poder público uma solução para que a “Estaçãozinha” tenha uma nova página em sua história. A antiga Estação Central de Jundiahy da Companhia Paulista de Estradas de Ferro já estava abandonada há muito tempo quando, em julho deste ano, um incêndio destruiu todo o telhado, comprometendo a estrutura, as janelas e uma parede, que cedeu.

Para Eusébio Pereira dos Santos, que preside a Associação de Preservação da Memória Histórica da Companhia Paulista de Jundiaí, a tragédia pode ser vista como uma oportunidade para dar um novo destino ao patrimônio. “O Polytheama e o Solar do Barão já foram ruínas que, reconstruídas, voltaram a fazer parte do cotidiano jundiaiense. Queremos o mesmo para a Estaçãozinha”, diz.

Eusébio encabeça a mobilização chamada de “A Estaçãozinha Pede Socorro”. O primeiro ato, realizado dia 13 de outubro, reuniu as 43 pessoas que conheceram a história do local e hoje formam o grupo que reivindica sua recuperação. O prédio é datado de 1898 e fica próximo ao Complexo Fepasa – situado abaixo do Viaduto São João Batista, que liga a Ponte São João ao Centro, pela rua Dr. Torres Neves. A The São Paulo Railway Company se instalou na Estação Vila Arens, mas fazendeiros resolveram dar continuidade aos trilhos e criaram a Cia. Paulista, sendo a Estaçãozinha a primeira dessa companhia, ou seja, a número 1, rumo ao interior.

A ideia do grupo é cobrar uma atitude do Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre (DNIT), órgão responsável pela conservação do local e vinculado ao Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil. “Aqui pode virar um centro cultural, um ponto turístico ou um empório. Existem várias possibilidades, mas o importante é recuperar o patrimônio. Local ocupado é local preservado”, defende Eusébio.

O grupo formado possui uma agenda de atos para chamar a atenção do poder público para o problema. “Já estamos em contato com o Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico (Condephaat) e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em busca de apoio, fora o Conselho Municipal do Patrimônio Cultural (Compac)”, diz.

Nesta sexta-feira (26), o grupo irá se reunir com um representante do Ministério Público Federal e, no dia 31, fará uma “entrega simbólica” de exemplares de telhas e tijolos das ruínas da Estaçãozinha a membros da Prefeitura e do Compac. “Uma dessas telhas remanescentes mostra nitidamente seu ano de fabricação, em 1888, e sua origem, em Marselha (França) com o fabricante Arnaud Etienne”, explica José Arnaldo de Oliveira, membro do grupo.

T_20181024_154151


Link original: https://www.jj.com.br/jundiai/associacao-quer-reconstruir-estacaozinha-abandonada-e-destruida-apos-incendio/
Desenvolvido por CIJUN