CONSTRUÍDA EM 1898

Compac cobrará manutenção e restauro da Estaçãozinha após incêndio

O Conselho Municipal de Patrimônio Cultural (Compac) de Jundiaí vai cobrar a manutenção e restauro da Estaçãozinha, prédio histórico que foi consumido por um incêndio na segunda-feira (9). Quem garante o acompanhamento de perto do processo é o presidente do conselho, Antônio Carlos Bezerra, que esteve no local nesta terça-feira (10) para averiguar os estragos.

“Como conselho, a nossa incumbência agora é reiterar para que a recuperação das peças e tijolos, que ainda podem ser aproveitados depois do incêndio, seja realizada. Vamos fazer a deliberação, aguardar os laudos e cobraremos os órgãos”, afirma Bezerra. O prédio já está listado no Inventário de Proteção do Patrimônio Artístico e Cultural (IPPAC) de Jundiaí desde 2011, e também segue processo de tombamento histórico pelo Compac e pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico (Condephaat) do Estado de São Paulo. “Como o local pertence à União, o processo é lento”, explica Bezerra.

RESPONSABILIDADE
Não está claro, entretanto, qual órgão público é responsável pelo local. Segundo a Prefeitura de Jundiaí, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (DNIT) é dono e responsável pelo prédio, inaugurado em 1898. O DNIT, entretanto, nega e revela que o local está cedido à Prefeitura de Jundiaí. A administração municipal, em contato com o Jornal de Jundiaí, confirmou a existência de um processo acerca da cessão da Estaçãozinha, mas que tal processo “teve seu último andamento em dezembro de 2016, sem resolução de mérito, tampouco publicação da cessão do prédio publicada no Diário Oficial da União”. Até a publicação desta reportagem, o DNIT não informou ou enviou ao JJ qualquer documento de cessão do espaço.

LEIA MAIS: INCÊNDIO ATINGE ESTAÇÃOZINHA AO LADO DO COMPLEXO FEPASA

ESPECIAL COMPLEXO FEPASA: UM PATRIMÔNIO ADORMECIDO

VISTORIA
Na tarde desta terça (10), a Defesa Civil vistoriou o local. Segundo nota da prefeitura, ainda há risco de desabamento de parte do prédio. Parte das paredes do prédio histórico caiu após incêndio, e o risco agora é que toldo e estrutura metálica venham ao chãoO órgão apresentará laudo ao DNIT em prazo não divulgado pela administração municipal.

Foto: Rui Carlos/Jornal de Jundiaí

COMENTE

Loading Facebook Comments ...

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *