Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Orientação casa a casa continua no Rio Acima após casos de raiva animal

VINÍCIUS SCARTON - vscarton@jj.com.br | 27/02/2018 | 04:53

Em virtude dos últimos registros de raiva em Jundiaí, a partir da morte de dois bovinos na região do Rio Acima, o gerente da Unidade de Vigilância de Zoonoses (UVZ), Carlos Ozahata informa à população que a campanha de vacinação contra a doença não será antecipada. “Existe um trabalho nesta região da cidade, através de visitas casa a casa com objetivo de verificar a cobertura vacinal de cães e gatos e saber se aquela população está bem protegida ou não. A princípio a campanha está mantida para os meses de agosto e setembro.”

Carlos Ozahata, gerente da Unidade de Zoonoses de Jundiaí. Foto: Alessandro Rosman/Jornal de Jundiaí

Carlos Ozahata, gerente da Unidade de Zoonoses de Jundiaí. Foto: Alessandro Rosman/Jornal de Jundiaí

O gerente da UVZ lembra que para a população de cães e gatos a vacinação é obrigatório e todos os anos os animais precisam receber a dose. “Caso o proprietário tenha perdido o período da vacinação é bom lembrar que aqui na Zoonoses funciona um posto permanente, oferecendo vacina gratuita o ano todo, de segunda à sexta-feira, das 8h às 12hs, e das 13h às 17h.”

LEIA MAIS

Prefeitura confirma segunda morte animal por raiva em Jundiaí

Outro ponto destacado por Ozahata é quanto aos animais de médio e grande porte. “Os proprietários devem ficar atentos, pois ainda que não seja obrigatório, é recomendado que o procedimento seja feito uma vez ao ano. Já em áreas de transmissão os animais devem receber duas doses anuais.” Além dos dois bovinos que morreram em virtude da raiva na região do Rio Acima, mais cinco animais foram encontrados mortos na mesma área. “Tratam-se também de bovinos e ainda estamos aguardando os resultados dos exames.”

Agentes da Zooneses têm circulado entre as propriedades rurais da região Leste em busca de animais que tenham sido atacados por morcegos hematófagos contaminados que possam transmitir a doença, e também para orientar a população. Na última semana, agentes também fizeram busca ativa no bairro com o objetivo de localizar colônias de morcegos hematófagos que estejam fazendo os ataques aos animais daquela região. Ozahata ressalta, no entanto, que as pessoas não devem sair matando ou caçando morcegos. “Eles cumprem papel importante no meio ambiente e servem como sentinelas para mostrar se a doença está ou não vigente em uma área.” Ao encontrar um morcego em situações não usuais – caído no chão, morto ou pendurado, as pessoas devem evitar o contato. “A orientação é bem simples. Coloque um balde em cima e chame a Zoonoses imediatamente pelo telefone 156.”

A doença

A raiva é uma doença viral que infecta o sistema nervoso central, causando encefalopatia e morte. Nos animais, os sintomas são falta de apetite, dificuldade para caminhar, sinais de convulsão e salivação intensa. A contaminação ocorre por contato: saliva ou secreção.


Link original: https://www.jj.com.br/jundiai/orientacao-casa-a-casa-continua-no-rio-acima-apos-casos-de-raiva-animal/
Desenvolvido por CIJUN