GRIPE

Região de Jundiaí já tem nove casos de gripe registrados e vacinação abaixo da meta

A Região de Jundiaí registrou pelo menos nove casos de gripe confirmados em 2018. No período, entretanto, há uma morte suspeita da doença. O levantamento foi feito pelas prefeituras após questionamento do Jornal de Jundiaí. A maior incidência de casos do vírus Influenza é em Várzea Paulista, onde quatro pessoas foram contaminadas. Em nota, a prefeitura municipal informou que apenas 75% da população de risco foi vacinada até o último levantamento realizado, em 28 de junho – total de 14.134 pessoas. A meta é de 90%.

Ainda em Várzea. a maior parte dos grupos de risco não se vacinou. Apenas 56,20% das crianças de 6 meses a 2 anos se vacinaram. A taxa entre as crianças de 2 anos a cinco anos imunizadas é de 50,19%. Em Várzea, 67,62% das gestantes e 89,64% dos idosos se vacinaram.

CLIQUE AQUI E LEIA OUTRAS NOTÍCIAS SOBRE JUNDIAÍ

Em Jarinu, a prefeitura informa que registra, até agora, dois casos de gripe confirmados. Em Jundiaí, três notificações de H1N1 foram confirmadas e ainda existem oito em análise. Uma delas terminou em óbito do paciente. Segundo a prefeitura, 24 casos notificados já foram descartados no município. Na cidade, a vacinação para os públicos-alvo está mantida até o término dos estoques de vacina. O atendimento é feita nas unidades básicas de saúde.

Nos municípios de Campo Limpo Paulista e Itupeva não há registro de casos de gripe até o momento. Já as prefeituras de Cabreúva, Louveira e Itatiba não responderam até o fechamento desta edição.

Grupo de Risco
Fazem parte do grupo de risco: crianças de 6 meses a 9 anos; adultos de 50 a 59 anos; pessoas com mais de 60 anos; Gestantes; mulheres que deram à luz nos últimos 45 dias; profissionais da saúde; professores da rede pública e particular; população indígena; portadores de doenças crônicas, como diabetes, asma e artrite reumatoide; indivíduos imunossuprimidos, como pacientes com câncer que fazem quimioterapia e radioterapia; portadores de trissomias, como as síndromes de Down e de Klinefelter; pessoas privadas de liberdade; adolescentes internados em instituições socioeducativas – como a Fundação Casa.

COMENTE

Loading Facebook Comments ...

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *