OPINIÃO

Espaço do Cidadão – 13 de junho de 2018

COPA, ARRAIAIS E O GOVERNO ACABADO: No próximo dia 17, quando o Brasil estreia na Copa do Mundo da Rússia contra a Suíça, encerra-se na prática o governo do presidente Michel Temer. Mas o final do período produtivo acaba antes, nas festas juninas. No Nordeste, especialmente, esses eventos populares são o máximo da mobilização e todo político que se preza e quer continuar a carreira não pode faltar. Daí a expectativa de Brasília ficar deserta já na próxima semana, por conta da festa de Santo Antonio, o primeiro do tríduo junino. Em vez de estarem no plenário discutindo ou até apresentando projetos, os parlamentares vão aos arraiais em busca de votos. E dificilmente voltarão à capital, pois também vão participar das alegrias (ou tristezas) do seu eleitor com a seleção. Ganhem ou percam os comandados de Tite, a presença nesse momento também pode se traduzir em votos.

Terminada a Copa, no dia 15 de julho, os deputados e senadores estarão em férias, no recesso de meio de ano. No mês de agosto, quando deveriam voltar ao trabalho, se ocuparão das convenções partidárias e as sessões legislativas não terão suas presenças, pois a maioria estará em conchavos e campanha nas bases. Isso se prolongará até 28 de outubro, dia do segundo turno nas eleições para o Executivo. Mesmo tendo sido eleitos (ou perdido as eleições) em 7 de outubro, suas excelências passarão todo mês ocupadas com as disputas do segundo turno para presidente da República e governador dos estados. Para eleger-se em primeiro turno, presidente e governador têm de somar mais de 50% dos votos válidos, algo improvável num momento de crise e indefinição como vivemos.

O presidente Michel Temer, que não conseguiu votar no Congresso a reforma da Previdência e obteve muito pouco da Trabalhista, agora prega a privatização da Eletrobras. Não logrará nem incluir a matéria nas pautas de discussão, porque não haverá no Congresso quem discuta o tema. Todos estarão cuidando do próximo mandato e se esforçando para fazer parte dele. Os candidatos à presidência também voam com propostas desencontradas, que pouco mobilizam o interesse do eleitor. Diferente das passadas, as próximas eleições terão muitas incertezas para cada um definir seu voto. E o pior é que o Brasil, mais do que nunca, precisa encontrar um novo caminho e, através dele, alcançar as reformas que o torne viável e menos desigual para seus cidadãos. Espera-se que, até 31 de dezembro, Temer e sua equipe consigam, pelo menos, manter a máquina em funcionamento.

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

COMENTE

Loading Facebook Comments ...

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *