BANDO

Polícia identifica mais vítimas de bando que atacava idosos em caixas eletrônicos

Pelo menos seis pessoas já procuraram a Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Jundiaí para formalizar o reconhecimento de quatro homens presos sob a acusação de integrarem uma quadrilha especializada em golpes contra correntistas durante operações bancárias em caixas eletrônicos. Outras cinco já agendaram comparecimento à unidade, considerada especializada da Polícia Civil, podendo chegar a mais de 20 o número de vítimas do bando apenas em Jundiaí, uma vez que outras unidades também já foram procuradas para proceder ao reconhecimento formal dos envolvidos.

O grupo foi preso no último dia 30 por guardas municipais do Canil. Com os quatro, aproximadamente 100 cartões bancários de potenciais vítimas foram encontrados, sendo parte deles no fundo falso de um dos automóveis em que estavam, um VW Gol e um Ford EcoSport. De acordo com a equipe da DIG, a Apolo 3 (Gigio e Júlio), que identificou a maioria das vítimas, o lucro diário auferido pelo bando era de cerca de R$ 50 mil. Foram presos Deivid Lopes de Andrade, José Roberto Cavalcante Ferreira, Marco Antônio Cerqueira da Silva e Luciano Gomes de Melo. Segundo o inspetor Alceu Marastoni, chefe do Canil e responsável pela equipe da GM que prendeu o bando, Ferreira também estava sendo procurado pela Justiça.

CLIQUE AQUI E VEJA OUTRAS NOTÍCIAS NO PLANTÃO POLICIAL

Conforme explicaram os policiais da DIG, as vítimas da quadrilha eram principalmente pessoas geralmente idosas, para quem os acusados ofereciam “ajuda” durante operação nos caixas, quando então faziam a troca de cartões, além de conseguirem visualizar as senhas durante a digitação feita pelas vítimas. Uma das vítimas, uma dona de casa de 67 anos, contou ter tido seu cartão trocado no dia 12 do mês passado ao utilizar um terminal de autoatendimento instalado em um supermercado na avenida Humberto Cereser, no bairro do Caxambu. Disse ter feito um saque e, quando deixava o local, foi interpelada por um dos acusados, que orientou, como se quisesse ajudá-la, a voltar ao caixa para “recadastrar a senha”. Em casa, notou que seu cartão havia sido trocado e descobriu movimentações indevidas em sua conta no montante de R$ 4 mil, explicou o investigador-chefe da DIG, Almir de Oliveira, da equipe dos delegados Luís Carlos Duarte e Carlos Eduardo Barbosa Soares.

Outras vítimas
Agindo de modo semelhante contra outras vítimas que estiveram na DIG, conforme estas explicaram à Apolo 3, o bando causou prejuízo de milhares de reais aos seus alvos, tendo os correntistas já identificados pela polícia idades entre 67 e 84 anos. O mais velho, que também teve seu cartão trocado no caixa eletrônico de um supermercado na Vila Rami, disse que dois saques foram feitos em sua conta após atuação dos criminosos, que conseguiram anotar sua senha e realizaram o procedimento na conta que o idoso tem no Banco Itaú. A Apolo 3 explicou que também já apura quem são os proprietários dos 100 cartões encontrados em poder do bando. Os policiais pedem que eventual reconhecimento por foto seja comunicado à unidade, que está localizada na avenida Francisco Pereira de Castro, 878, no bairro do Anhangabaú, e é dirigida pelos delegados Luís Carlos Duarte (titular) e Carlos Eduardo Barbosa Soares (assistente). O telefone é o (11) 4521-6806.

Outro caso
Em abril deste ano, a mesma equipe da DIG já havia obtido provas para indiciar dois homens por golpes contra usuários de terminais bancários, em sua maioria, idosos. Uma das ações chegou a ser registrada por câmeras de segurança, o que ajudou a DIG a identificar os criminosos. Além da troca dos cartões, ficou apurado que ambos conseguiam a senha das vítimas ao fingir ajudá-las, alegando um suposto procedimento errado durante a operação eletrônica. Segundo a Apolo 3, um dos indiciamentos teve como base um golpe praticado contra um aposentado de 77 anos, morador no Jardim Messina. Ao utilizar um caixa eletrônico no estacionamento de um supermercado, ele foi convencido pelos acusados de que deveria alterar sua senha para não pagar uma taxa de R$ 49,90. Quando notou, havia caído no golpe.

 

COMENTE

Comente

Loading Facebook Comments ...