POLÊMICA

Após nomear 27 homens, quatro mulheres entram para equipe de transição de Bolsonaro

Após anunciar que 27 homens iriam compor a equipe de transição de governo, o que causou estranhamento causado pela falta de diversidade de gênero, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) deve incluir quatro mulheres nessa equipe. Os nomes foram levantados ontem (6) e devem ser publicados no Diário Oficial da União nos próximos dias. Três estão ligadas ao Exército. Conheça as quatro mulheres que farão parte da transição:

  • Clarissa Costalonga e Gandour – Doutora em economia, com ênfase em desenvolvimento econômico, pela PUC-Rio;
  • Liane de Moura Fernandes Costa – Ex-tenente do Exército, formada em engenharia ambiental pela Fundação Universidade Federal do Tocantins;
  • Márcia Amarílio da Cunha Silva – Tenente-coronel do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal e especialista em segurança pública;
  • Silvia Nobre Waiãpi – Tenente do Exército, primeira militar indígena a integrar as Forças Armadas.

Dos 27 nomes que constam da lista, 22 são indicados pela transição e cinco pelo governo de Michel Temer, por já serem servidores públicos. Entre os nomeados para a equipe que comandará a transição estão Paulo Guedes, futuro ministro da Economia; Marcos Pontes, já confirmado no Ministério de Ciência e Tecnologia; e general Augusto Heleno, que assumirá a Defesa.

Há uma cobrança para que o governo de Bolsonaro também tenha mulheres nos ministérios, uma obviedade em termos de diversidade em qualquer grupo, empresa ou governo no século 21. Questionado se haveria mulheres nos ministérios – já que, dos nomes apresentados até então, só havia homens -, Bolsonaro respondeu que “com certeza” seu ministério terá participação de mulheres. Disse que não trocaria nomes já anunciados “só porque é mulher” porque ainda há muitas vagas a serem preenchidas e haverá espaço para um nome feminino.

COMENTE

Loading Facebook Comments ...

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *