Acervo

Com água de reúso, Grande São Paulo teria mais dois Cantareiras


2014-09-20_20-37-08_1
Crédito: Reprodução/Internet

Dentro da Grande São Paulo, um estoque de água equivalente a dois sistemas Cantareiras e capaz de sanar sua crise de abastecimento está sendo ignorado.Essa é a visão do professor de engenharia hidráulica da USP Ivanildo Hespanhol sobre os cerca de 60 mil litros de esgoto que a maior região metropolitana do País produz a cada segundo.

Uma das principais autoridades do Brasil em reúso, ele defende que a técnica seja utilizada para ‘reciclar’ a água que escorre por ralos e descargas, tornando-a própria para consumo. Atualmente, a água de reúso não é utilizada para abastecimento, mas, em menor escala, para processos que dispensam água potável, como limpeza de vias públicas, irrigação de jardins e na produção industrial.

Falta regulamentação para a medida, que é vista com ressalva por parte da população, mas já é adotada para abastecer cidades inteiras em países como EUA e Bélgica. “Temos cinco estações que tratam esgoto num nível inicial. Poderíamos completar o tratamento incluindo mais etapas, capazes de tornar a água potável de novo”, diz.

Hespanhol afirma que só nessas cinco estações seria possível obter mais 16 mil litros de água por segundo para a Grande São Paulo, o suficiente para abastecer cerca de 4,8 milhões de pessoas. De acordo com ele, o custo de produção é mais alto - nos Estados Unidos, diz, mil litros de água de reúso custam cerca de R$ 3, mais que o triplo da comum.

Mas compensam quando comparados à construção de sistemas de abastecimento, que requerem obras bilionárias, com longas adutoras. “A tecnologia do reúso é avançada suficiente para produzir água limpa e segura para beber”, diz o professor, que comanda o Cirra (Centro Internacional de Referência em Reúso de Água).

Ele cita o caso da represa Billings (zona sul), de onde são retirados 4 mil litros de água por segundo para abastecer a Grande São Paulo -o suficiente para atender cerca de 1,2 milhão de pessoas. “A Billings recebe esgotos que passam por uma sequência de rios muito poluídos: Tamanduateí, Tietê e Pinheiros. E sua água é captada para abastecimento. Para mim, isso é reúso”, diz.

Em seu último relatório de sustentabilidade, a Sabesp diz que, só em 2013, investiu R$ 48,4 milhões em um programa de tratamento e preservação dessa represa e de sua vizinha, a Guarapiranga.


Notícias relevantes: