Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Dória descarta ‘lockdown’, mas flexibilizará quarentena a partir de junho

Folhapress | 26/05/2020 | 08:50

Em entrevista à GloboNews, nesta segunda-feira (25), o governador João Dória disse que, neste momento, o “lockdown” não será adotado em nenhuma cidade de São Paulo e comentou medidas que serão adotadas para depois do dia 31 de maio. A decisão foi tomada com base nas taxas de isolamento social.

Véspera do feriado, o domingo (24) no estado de São Paulo registrou 55% de taxa de isolamento, o maior desde último dia 3 de maio, quando o isolamento chegou a 59%. Na capital, o índice chegou a 57% no dia que os termômetros da cidade marcaram 11,2°C, recorde de frio do ano, segundo o InMet (Instituto Nacional de Meteorologia). O feriado de 9 de Julho, que comemora a Revolução Constitucionalista, foi antecipado para esta segunda-feira (25) a fim de aumentar a taxa de isolamento e conter o avanço do coronavírus. No último dia 20 de maio, o governador João Doria (PSDB) afirmou que o adiantamento dos feriados foi uma tentativa de aumentar os índices de confinamento e evitar o “lockdown” [bloqueio total].

Ele comentou a decisão de, ao menos momentaneamente, não adotar a medida drástica. “Não é imaginável que possamos não ter uma nova quarentena a partir de 1º de junho, mas será uma quarentena inteligente”, informou o governador. “Ela vai levar em conta toda a regionalização de São Paulo, no interior, capital, região metropolitana, litoral. A decisão não será homogênea. Até agora foi porque precisava ser. Agora, podemos fazer heterogênea, seguindo orientação do comitê de saúde. Áreas que definam flexibilização cuidadosa e em etapas, será levado em consideração. Onde não puder, não será.”

QUARENTENA INTELIGENTE

De acordo com a declaração do governador, nesta nova etapa será colocada em prática uma “quarentena inteligente”, na qual poderão retomar as atividades as cidades que apresentarem os seguintes requisitos:

– taxa de isolamento superior a 55%;

– queda no número de novos casos por 14 dias consecutivos;

– ocupação de leitos de UTI inferior a 60%.

O governador disse que os detalhes da nova quarentena serão divulgados nesta quarta-feira (27) durante uma entrevista coletiva.

 

Vinholi também diz que “[o estado de São Paulo] representava 70% dos casos do Brasil, em março, e hoje somos menos de 27%, graças ao isolamento implementado, o que comprova o sucesso dessa política”.
​O governo monitora a movimentação dos cidadãos por meio de dados de celular. Durante a quarentena, autoridades da saúde afirmam que a meta é uma redução de mobilidade de 70% da população -o parâmetro se baseia na taxa que permitiu à Itália estabilizar o número de casos.

Uma redução de 60% é aceitável; com menos de 50% de adesão, o governo teme que faltem leitos de UTI.
Até esta segunda-feira, o estado registra 83.625 casos e 6.220 mortes pelo novo coronavírus, de acordo com dados da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo. A pasta também informa que 16.814 pacientes, internados em hospitais devido complicações da Covid-19, já tiveram alta.

Além disso, dos 645 municípios de São Paulo, 510 já registram casos de infectados, o que representa 79,06% do território paulista. Um estudo do Instituto Butantan mostrou que se a taxa média de isolamento de 47%, a expectativa seria que todo o estado terá casos e óbitos por covid-19.

A taxa de ocupação dos leitos de UTI do estado é de 73,80%, uma ligeira melhora se comparada com sábado (23), que marcou 75,70%.


Leia mais sobre | | | |
Link original: https://www.jj.com.br/brasil-e-mundo/doria-descarta-lockdown-mas-adianta-novas-medidas-a-partir-de-1o-de-junho/
Desenvolvido por CIJUN