Acervo

Grupo faz protesto contra criminalização do aborto


Manifestantes fizeram neste domingo (28) uma marcha na avenida Paulista contra a criminalização do aborto. O protesto começou na Praça do Ciclista e se deslocou até o Museu de Arte de São Paulo (Masp). O ato, denominado Cortejo da Mulher Negra Morta em Aborto Clandestino, foi realizado em razão do Dia Latino-Americano e Caribenho pela Descriminalização e Legalização do Aborto.

“O aborto é real, ele existe, ele faz parte da sociedade. As mulheres abortam. O problema é que elas estão abortando e estão morrendo. Isso é uma luta, na verdade, em defesa da vida da mulher. A gente acha que o aborto tem de ser tratado como problema de saúde pública. Em todos os países que legalizaram o aborto, o índice de mortes de mulheres diminuiu drasticamente, isso a gente vê no Uruguai, na Espanha”, destacou Gabriela Arioni, do Movimento Mulheres em Luta.

Parte das manifestantes estava trajada de preto, em sinal de luto. Faixas e cartazes pediam a liberalização do aborto e a inclusão do procedimento no Sistema Único de Saúde (SUS). Elas também reivindicavam a inclusão do tema nas agendas dos candidatos. “A gente tem uma conjuntura bastante complicada no Brasil. Desde 2010, a bancada evangélica conseguiu interditar o debate do aborto. Mesmo os partidos de esquerda não enfrentam isso de forma contundente e o governo mais ainda. Temos, para o movimento de mulheres, um desafio muito grande”, ressaltou Analu Faria, da Marcha Mundial das Mulheres. 

 


Notícias relevantes: