Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Julho de 2019 é o mais quente da história

Folhapress | 05/08/2019 | 08:38

As médias globais de temperatura do último mês de julho foram “marginalmente mais altas” do que as de julho de 2016 -o julho mais quente até então.

O aquecimento da temperatura média do planeta em julho foi de aproximadamente 1,2°C em relação aos níveis pré-industriais.
O resultado é muito próximo do limite de 1,5°C estipulado pelo IPCC/ONU (Painel

Intergovernamental de Mudanças Climáticas da ONU) para conter os cenários mais desastrosos das mudanças climáticas, como a submersão dos países-ilha.
O mês anterior também já havia batido o recorde global; foi o junho mais quente da

História.
Até agora, todos os meses de 2019 estão entre os quatro mais quentes para o mês em questão. Além disso, os últimos quatro anos (2015 a 2018) foram globalmente os quatro anos mais quentes já registrados.

A avaliação divulgada nesta sexta (2) pela Copernicus Climate Change Service, instituição ligada à União Europeia, trata das temperaturas dos dias 1 a 29 de julho. Na próxima segunda-feira, um relatório completo trará os dois últimos dias do mês.

A medição, feita com dados meteorológicos colhidos em todo o mundo e processados pela agência europeia, é comparada com cinco bases de dados históricos, incluindo bases de universidades, da agência de meteorologia do Japão e da Nasa.

Para o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, o resultado deste julho “é ainda mais significativo, porque o mês mais quente até então, julho de 2016, ocorreu durante um das passagens mais fortes do El Niño de todos os tempos. Não é o caso neste ano”.

Em entrevista à imprensa nesta quinta (1), Guterres reforçou as metas mais ambiciosas indicadas pelo IPCC. “Precisamos cortar 45% das emissões de gases-estufa até 2030; precisamos ser neutros em emissão de carbono até 2050”.

Questionado sobre um possível recado para os Estados Unidos, que podem deixar o Acordo de Paris, Guterres sugeriu que o acordo já não seria suficiente. “É absolutamente essencial não apenas implementar o Acordo de Paris, mas fazê-lo com uma ambição maior”, afirmou.

 


Leia mais sobre | | |
Link original: https://www.jj.com.br/brasil-e-mundo/julho-de-2019-e-o-mais-quente-da-historia/
Desenvolvido por CIJUN