Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Pessimismo se espalha e derruba Bolsas pelo mundo

FOLHAPRESS | 23/10/2018 | 21:58

Uma onda de pessimismo se espalha pelos mercados de risco e é responsável pela queda das principais Bolsas mundiais nesta terça-feira (23). O movimento é reflexo de uma série de notícias negativas para importantes economias, da China aos Esta- dos Unidos, passando por países europeus. O mercado brasileiro não passou incólume, apesar de o otimismo eleitoral seguir na pauta: o dólar subiu 0,24%, a R$ 3,6970, e a Bolsa recuou 0,35%, a 85.300 pontos.

Entre os principais motivos para as perdas estão a desaceleração da economia chinesa e os impactos da guerra comercial iniciada pelos Estados Unidos contra a China. Com o início da temporada de divulgação de resultados do terceiro trimestre, empresas americanas começaram a relatar necessidade de aumento de preços de produtos para compensar as tarifas de importação impostas pelo presidente Donald Trump sobre produtos chineses.

A alta nos preços pode levar a inflação a subir mais do que o inicialmente projetado pelo Fed (Federal Reserve, o banco central dos EUA), motivando aumentos adicionais nas taxas de juros do país. Juros americanos mais altos reduzem a disposição de investidores por ativos de risco, como aplicações em Bolsa nos EUA e em países emergentes. Há ainda uma segunda preocupação no radar das empresas: a desaceleração da economia chinesa pode ter impacto sobre a demanda, levando a um menor crescimento da economia americana.

“A pergunta que os investidores farão não é necessariamente o impacto para o trimestre atual, mas, ‘se a China continuar desacelerando, qual será o impacto para o resto de 2018 e 2019?'”, diz Patrick Palfrey, analista do Credit Suisse. Na semana passada, a China reportou que sua economia cresceu 6,5% no terceiro trimestre, abaixo do que projetavam economistas e a menor taxa desde o primeiro trimestre de 2009. Há ainda no radar de investidores receio com o desenrolar da crise na Itália.

Pela primeira vez na história, a Comissão Europeia rejeitou um plano orçamentário por não cumprir as regras do bloco de forma “nunca vista antes”. A União Europeia pediu o envio de um novo projeto ou o país estaria sujeito a punições. O problema é que o governo italiano está disposto a manter o orçamento deficitário. Em uma carta enviada à Comissão na segunda-feira (22), a Itália reconheceu que seu plano de orçamento viola as regras da UE, mas insistiu que seguirá em frente com ele.

“Este é o primeiro orçamento italiano que a UE não aprova. Não estou surpreso. Este é o primeiro orçamento italiano que foi escrito em Roma e não em Bruxelas”, escreveu o vice-primeiro-ministro Luigi Di Maio em uma rede social. Com a influência negativa do exterior e noticiário eleitoral mais fraco, o Ibovespa recuou. A perspectiva geral, porém, é positiva para o país. Nos próximos dias, começam a ser divulgados resultados de empresas brasileiras e as projeções de analistas são otimistas.

Investidores seguem acompanhando as movimentações de aliados de Jair Bolsonaro (PSL) em prol da construção de uma base no Congresso, caso seja eleito. Após o fechamento do mercado, o Ibope divulgaria pesquisa, mas analistas já não esperam mudanças na vantagem de Bolsonaro sobre Fernando Haddad (PT).

Bovespa

Bovespa


Link original: https://www.jj.com.br/brasil-e-mundo/pessimismo-se-espalha-e-derruba-bolsas-pelo-mundo/
Desenvolvido por CIJUN