Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Seis capitais batem meta de redução de mortes no trânsito

Folhapress | 08/12/2019 | 12:05

O ano de 2020 é o último para que as cidades brasileiras (e o país) reduzam em 50% o número de mortes no trânsito. A meta foi pactuada junto à ONU e leva em conta o período de 2011 a 2020.
Levantamento inédito da Folha mostra que em 2018 seis capitais (Rio Branco, Salvador, Belo Horizonte, Aracaju, Curitiba e Porto Alegre) se adiantaram e atingiram o objetivo.

O Distrito Federal e outras cinco capitais (Recife, Fortaleza, São Paulo, Belém e Campo Grande) também tiveram boa redução e, mantido o ritmo, alcançarão a meta em 2020.
Por outro lado, cidades como Palmas e Florianópolis viram seu trânsito matar mais.

As cidades com melhores indicadores têm em comum a ação integrada entre prefeituras, estado e governo federal, além da elaboração constante de relatórios estatísticos que norteiam políticas públicas que salvam vidas no asfalto.

Segundo dados do SUS, cerca de 36 mil pessoas morrem por ano no trânsito no país. A violência viária consome recursos da saúde pública e da previdência, além de afetar a capacidade produtiva do país.

“É sem dúvida um dos maiores problemas de saúde pública no país”, diz Antonio Meira, presidente eleito da Abramet (Associação Brasileira de Medicina de Tráfego). “Na Bahia, 52% das internações hospitalares são com vítimas de trânsito. São leitos, recursos e energia que poderiam ser aplicados em outros pacientes.”

Segundo o levantamento da Folha, a capital do Acre, Rio Branco, conseguiu diminuir em 64% a letalidade do seu trânsito, chegando ao topo do ranking nesse quesito. Se em 2011 a cidade registrou 18 mortes no trânsito para cada 100 mil habitantes, em 2018 o índice passou para 6,5. O novo patamar colocou Rio Branco como a quarta capital no país em trânsito seguro.

Luiz Fernando Duarte, presidente do Detran do estado, cita o aumento da fiscalização da Lei Seca com o uso de bafômetros com uma das principais ferramentas de mudança. Os testes com bafômetro foram de 6.423, em 2011, para quase 42 mil em 2013. Mas em 2019 a perspectiva não é boa: no primeiro semestre, o batalhão efetuou 314 testes.

Creso Machado Lopes, professor Centro de Ciência da Saúde da Ufac (Universidade Federal do Acre), diz que, para ter efeito, o rigor na fiscalização tem que ser perene. “Fazer campanhas educativas e pesquisas é importante, mas, sem fiscalização, a situação não melhora. É preciso mexer no bolso de quem transgride a lei”, argumenta.

A capital com a segunda maior redução foi Salvador, cujo trânsito em 2018 foi 55% menos letal do que em 2011. Desde 2016, Salvador tem a menor taxa de mortes por 100 mil habitantes no trânsito, e a redução foi conseguida mesmo com aumento da frota de 31% no período. Em 2018, sua taxa foi de 3,99 –número que, segundo a OMS, equivale ao da Dinamarca.

Na lanterna entre as capitais brasileiras está Palmas, com taxa de 18,8 mortes a cada 100 mil habitantes, desempenho semelhante ao do Líbano.

A Transalvador, autarquia vinculada à prefeitura soteropolitana, lista as medidas que teriam ajudado a diminuir a letalidade no trânsito. Entre elas, a redução de velocidades máximas em grandes avenidas, que em trechos foi de 70 km/h para 40 km/h.

A ideia da prefeitura foi adequar a velocidade à presença de pedestres nos calçadões e praças. Assim, caiu o número de atropelamentos e a gravidade desses eventos.

Em alguns bairros, foram criadas áreas calmas, perímetros onde nenhuma via tem velocidade acima de 30 km/h ou 40 km/h. Um novo projeto inclui ciclovias, redesenho de esquinas e avanço de calçadas. A cidade também aumentou em 71% os radares.

Com a maior fiscalização, as infrações quase triplicaram de 2012 a 2016. Desde o pico em 2016, porém, a violação do limite de velocidade caiu 35%.

Para a Transalvador, é sinal de que mudou o comportamento dos motoristas. O uso de radares está em xeque após o presidente Jair Bolsonaro ordenar a retirada dos equipamentos de rodovias federais, o que contraria pesquisas de segurança no trânsito.


Leia mais sobre | | |
Link original: https://www.jj.com.br/brasil-e-mundo/seis-capitais-batem-meta-de-reducao-de-mortes-no-transito/
Desenvolvido por CIJUN