Cultura

Travis Scott: Tragédia em show gera mais de R$ 4 bilhões em processos


DIVULGAÇÃO
Travis Scott: Tragédia em show gera mais de R$ 4 bilhões em processos
Crédito: DIVULGAÇÃO

A tragédia com 10 mortos no show do rapper Travis Scott, 30, que aconteceu em um show no palco Astroworld em 5 de novembro, já acumula mais de 125 processos envolvendo o rapper e o cantor Drake, 35, que fez uma participação especial no evento.
Segundo o site TMZ, os mais de 125 fãs, incluindo a família de um dos mortos, somam processos que passam de US$ 750 milhões, o que equivale a R$ 4,1 bilhões na cotação atual. A apresentação aconteceu em Houston, no Texas, EUA, e gerou um tumulto que deixou 10 mortos, com idades entre 9 e 27 anos.
Um processo movido pelo advogado Tony Buzbee, culpa Scott e os organizadores da apresentação por negligência em não planejar de forma adequada o show, nem treinar a equipe de segurança e não realizar a apresentação em um local seguro.
Já a família que processa o rapper, Drake e as empresas, é a de Axel Acosta, que tinha 21 anos e foi uma das vítimas da tragédia. No processo, a família aponta que ele foi "esmagado por multidão incitada, indisciplinada e descontrolada com tanta força que ele não conseguia mais respirar".
Segundo advogados, os R$ 4,1 bilhões seriam destinados para as lesões físicas e mentais dos sobreviventes, além de serem referentes também aos que perderam a vida no show. "Nenhuma quantia de dinheiro jamais trará de volta esses entes queridos, não poderá recuperar vidas humanas. Mas sim reparar danos, além de ajudar a superar o trauma sofrido pelos requerentes", afirmam.
Além disso, o fato de Scott e a Live Nation terem supostamente oferecido reembolso aos presentes no show também consta nos processos. A atitude foi vista como "um esforço transparente e grotesco dos réus para se limitar suas responsabilidades após o fato com relação às famílias dos mortos ou feridos".
ENTENDA O CASO
A tragédia aconteceu durante um show do rapper Travis Scott no palco do Astroworld, em Houston, no Texas (EUA), dia 5 de novembro. Ao todo, 10 pessoas morreram e várias foram hospitalizadas no tumulto durante a apresentação.
Kim Kardashian e Kendall Jenner se pronunciaram a respeito da tragédia no show do cunhado. "Com o coração absolutamente partido pelas vidas que foram perdidas e por qualquer um que foi ferido em Astroworld. Assim como todos vocês, nossa família está em choque com a tragédia. Estamos orando por todas as vítimas", disse Kim.
Kendall disse que ainda está sem palavras sobre as notícias. "Estou realmente triste pelas famílias que perderam entes queridos e minhas orações vão para todos os envolvidos. Estou enviando todo o meu amor a todos que foram afetados e desejando-lhes força durante este período incrivelmente devastador e sensível", comentou.
Segundo o TMZ, Scott não sai de casa desde a tragédia. Seu advogado, Ed McPherson falou como ele estava arrasado, porque aconteceu em sua cidade natal e se trancou em casa. "O fato de ter acontecido com Houston, que ele ama, e de ter tantas pessoas por perto é particularmente devastador."
Travis cancelou o show que faria entre os dias 14 e 15 em Vegas e uma petição está crescendo online para interromper seu evento principal no Coachella na próxima primavera. O advogado diz que se apresentar é a última coisa na mente de Travis no momento e dar apoio às famílias das vítimas.
Fontes ligadas ao rapper falaram ao TMZ que ele nunca foi informado no festival sobre as pessoas mortas e feridas. Segundo as fontes, Travis não sabia a gravidade da situação quando chegou à festa pós-show e isso continua consistente com o fato de que ninguém, incluindo a polícia, confirmou publicamente a gravidade dos acontecimentos que aconteceram no local.
Drake, que deu a festa e se apresentou com Travis como convidado surpresa no show, também não tinha ideia que havia pessoas morrendo na multidão. Segundo o TMZ, havia várias pessoas implorando aos operadores de câmera e outros para interromper o show.
Apesar de Travis estar a pelo menos 50 metros do operador de câmera, as fontes disseram que ele não ouviu os apelos para encerrar o show porque os fãs estavam morrendo. Mas quando ele soube da tragédia deixou imediatamente a festa.
Segundo as autoridades policiais, o episódio foi desencadeado após fãs começarem a empurrar uns aos outros em direção ao palco. Passados cerca de 30 minutos, a confusão aumentou e ocorreu o que o chefe-executivo da polícia de Houston, Larry Satterwhite, classificou como "incidente em massa".
"De repente, tínhamos várias pessoas no chão passando por algum tipo de episódio médico", afirmou. "Aconteceu tudo de uma vez, em questão de minutos."
O corpo de bombeiros levou 25 pessoas para hospitais da região, sendo que 11 delas apresentavam um quadro de parada cardíaca. O chefe de polícia local, Troy Finner, informou que uma das linhas que será investigada é a de que uma pessoa na plateia poderia estar drogando as outras com uma seringa.
Segundo ele, um segurança sentiu uma picada no pescoço enquanto tentava conter uma confusão e caiu inconsciente. Os médicos, que o reanimaram usando um medicamento antagonista de opioides, notaram uma marca, semelhante à que uma seringa deixaria, no pescoço do agente.
Outras pessoas em meio à multidão também teriam desmaiado sem consciência durante a apresentação.
Após a tragédia, Travis disse que iria arcar com os custos funerários das vítimas que morreram em seu show. Ele também se juntará a uma empresa para oferecer serviços de saúde mental a quem precise.


Notícias relevantes: