Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Diversidade do Lollapalooza atrai milhares de fãs

FELIPE TOREZIM - ftorezim@jj.com.br | 04/03/2018 | 00:20

Nos dias 23, 24 e 25 de março vai acontecer o festival Lollapalooza. Milhares de pessoas vão encher o autódromo de Interlagos para assistir diversas bandas famosas, como Imagine Dragons, Pearl Jam, Red Hot Chilli Peppers, The Killers, Lana del Rey, entre outros. Os ingressos para a edição de sábado (24), ou que garante a entrada nos três dias do evento já estão esgotados. A auxiliar administrativa Renata Tarresan, de 27 anos, é apaixonada pelo Lollapalooza. Desde 2013, um ano após a primeira edição brasileira, ela comparece a todos. Nesse ano irá nos três dias. “Sempre vem uma banda que eu curto, mas dessa vez as atenções estão voltadas ao Pearl Jam. Sou totalmente enlouquecida por eles”, afirma.

Essa paixão começou aos 11 anos. Desde então, são quatro tatuagens, quatro shows – inclusive na edição de 2013 do Lollapalooza. “A minha primeira camiseta de rock foi deles”, lembra. “Pearl Jam, pra mim, é uma banda completa que representa absolutamente tudo da minha vida. Não só nas letras das músicas, mas também pelo posicionamento político, abordagem das questões de meio ambiente e as bandeiras de ativismo que defendem.”

Para Renata, festivais de música também ajudam a conhecer novas bandas. Ela conta que ficou fã de vários grupos desconhecidos. “Vou de palco em palco em eventos como esse, para assistir ao máximo possível de shows. No final, ficamos cansados, com dores, gripe, mas vale muito a pena”, garante.O editor de imagens Felipe Brunelli, 31, também não perdeu tempo e garantiu a ida ao festival pelo segundo ano consecutivo. Dessa vez, irá aos três dias de evento. Segundo ele, em todos terão bandas boas. “Será um fim de semana sensacional. Festival é uma loucura. Sol na cabeça, muita gente, correria de um palco ao outro, bandas, estilos e uma vibe incrível”, diz. “Ver pessoas reunidas pelo mesmo propósito, o amor à música. É sensacional”, comemora.

Felipe Brunelli diz que a sua prioridade de lazer é ir a shows; segundo ele, a “vibe” dos festivais é incrível. Foto: Alessandro Rosman

Felipe Brunelli diz que a sua prioridade de lazer é ir a shows; segundo ele, a “vibe” dos festivais é incrível. Foto: Alessandro Rosman

Assim como Renata, ele não esconde a ansiedade para o sábado. “A banda que mais espero ver este ano é o Pearl Jam, nunca os vi ao vivo e não conheço uma pessoa que já foi ao show deles e não voltou para casa em êxtase”, afirma Felipe, que escuta o som da banda com frequência, há aproximadamente oito anos, e torce para tocarem a música “Sirens”. The Killers, que se apresenta domingo, também tem um som legal, segundo ele. Acostumado a ir a shows, o editor revela que vai, em média, em 20 por ano. “A minha prioridade de lazer é show. Independente se for pequeno ou festival, vou a todos que posso, mesmo que seja sozinho. Dá um frio na barriga sempre, mas na semana do festival o estado fica crítico”, brinca.

História
Concebido por Perry Farrel, da banda Jane’s Addiction, o festival nasceu em 1991, nos Estados Unidos. O evento chegou à América do Sul em 2010. A primeira edição foi no Chile. Hoje em dia, além de Estados Unidos e Chile, Argentina, Brasil, França e Alemanha recebem anualmente o Lollapalooza.


Link original: https://www.jj.com.br/cultura/diversidade-do-lollapalooza-atrai-milhares-de-fas/
Desenvolvido por CIJUN