Economia

Aumenta confiança de empresários fluminenses na retomada econômica


Aumenta confiança de empresários fluminenses na retomada econômica
Crédito:

Os empresários fluminenses estão confiando mais na retomada econômica nos próximos meses, revela pesquisa divulgada hoje (15) pela Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio RJ). Segundo a pesquisa, 21,3% dos 498 entrevistados do setor de comércio de bem, serviços e turismo do estado disseram que a situação dos negócios melhorou nos últimos três meses, superando o percentual de dezembro (20,7%).

A sondagem foi realizada entre os dias 5 e 8 de janeiro.

O número de comerciantes que declararam estabilidade em seus negócios passou de 19,7%, em dezembro, para 24,5% neste mês, enquanto o dos que constataram piora caiu de 29,8% para 28,3%. Isso ocorreu também com aqueles que disseram que os negócios pioraram muito, cujo total caiu de 27,3% para 22,3%. Para 3,6%, houve muita melhoria em relação aos 2,5% de dezembro do ano passado.

Conforme a pesquisa, a variação foi positiva também nas expectativas dos empresários para os próximos três meses. Cerca de 76% esperam que os negócios melhorem ou melhorem muito. No mês anterior, o percentual era de 71%. Houve ainda pequena queda na proporção de empresários que esperam situação piorar ou muito pior, que passou de 12,3% em dezembro, para 10,4% em janeiro.

Os economistas da Fecomércio RJ destacam que aumentou o otimismo dos empreendedores com as perspectivas para o próprio negócio nos próximos três meses, primeiro sinal positivo após duas quedas consecutivas.

Demanda

Os resultados apontam crescimento no indicador que captura o comportamento da demanda por bens e serviços produzidos pelos empresários nos últimos três meses. Agora em janeiro, o indicador marcou 65,7, contra 61,8 em dezembro.

Quanto à demanda para os próximos três meses, a pesquisa identificou expectativa otimista dos empresários. O número dos que esperam estabilização evoluíram de 32% em dezembro para 33,9%, em janeiro. Para 43,2% dos entrevistados, haverá aumento e 8,6% esperam incremento significativo.Os pessimistas, que em dezembro somavam 12,3%, caíram para 8,6%. Entre os que acreditam em diminuição acentuada da demanda, o percentual manteve-se estável em 5,6%.

Emprego

A pesquisa revelou expansão entre os empreendedores que apontaram aumento do número de trabalhadores em suas empresas nos últimos três meses, passando de 4,2% para 6%. Para 46,4%, o quadro ficou estabilizado; para 22,3%, houve redução e, para 24,7%, muita diminuição. O indicador que mede as contratações nos últimos três meses subiu de 54,4, em dezembro, para 59,6 em janeiro.

Cresceu também a expectativa de contratação entre dezembro de 2020 e janeiro de 2021, puxada, em especial, pela proporção de empresários que disseram que o quadro de funcionários diminuiria ou diminuiria muito (22,5%) em janeiro, frente aos 24,6% dezembro. O indicador subiu de 95,6, em dezembro, para 98,6 em janeiro.

Preços e inadimplência

A percepção dos empresários sobre os preços dos fornecedores neste início de ano sinaliza relativa estabilidade. Segundo a Fecomércio RJ, caso o quadro se mantenha assim, é possível que nos próximos meses perceba-se o início de uma redução nos preços para o consumidor.

“A trajetória do preço ao consumidor dependerá do grau de velocidade de recuperação do setor de serviços que, por sua vez, dependerá do ritmo com que os governos vão vacinar a população. Se a vacinação tiver um bom ritmo no primeiro trimestre, a recuperação do setor de serviços muito provavelmente também ganhará força, impactando a tendência dos preços da economia”, diz a entidade.

O percentual dos que declararam não estar inadimplentes subiu de 39,2%, em dezembro, para 42,8%; 22,1% afirmaram que suas empresas estão inadimplentes, enquanto 22,1% informaram que seus negócios têm poucas restrições. Os que se consideram muito inadimplentes correspondem a 13,1%.

A maior inadimplência é com os fornecedores (37,6%), seguida pelo aluguel (35%), pelos bancos comerciais (29,5%) e conta de luz (23,2%), entre outros.

Estoque

Quase metade dos entrevistados (49,1%) disseram estar com estoques abaixo do planejado -em dezembro, o percentual era de 55,9%. Para 39,4%, ficou igual e ,para 11,5%, o abastecimento foi acima do planejado.

Indagados sobre dificuldades no reabastecimento, 69,1% confirmaram a ocorrência de entraves: no mês anterior, eram 75,1%, seguidos por 30,9% que negaram qualquer dificuldade nesse sentido; em dezembro, eram 24,9%. Entre os obstáculos citados pelos empreendedores, os produtos nacionais aparecem na frente, com 48,4%. Em seguida, vêm, em conjunto, produtos nacionais e importados (43,5%) e somente importados (8,2%).
 


Notícias relevantes: