Economia

Crise hídrica afeta inflação e preço de alimentos, diz presidente do BC

Presidente do Banco Central diz que mudanças climáticas estão no radar das autoridades


Divulgação
Segundo Campos Neto, choques climáticos também podem afetar taxa de juros e o mercado de crédito
Crédito: Divulgação

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou nesta quarta-feira (2) que a crise hídrica vivida atualmente no Brasil afeta a inflação e, por isso, mudanças climáticas estão cada vez mais no radar da autoridade monetária.

"Como isso afeta a política monetária? Estamos falando sobre crise de energia no Brasil novamente, porque não está chovendo o suficiente. Isso tem efeito na inflação, no preço dos alimentos, afeta tudo que fazemos. Está muito ligado ao nosso mandato", disse em evento promovido pelo BIS (Bank for International Settlements).

Segundo o titular do BC, os choques climáticos também podem afetar a taxa de juros e o mercado de crédito.

"Isso [mudanças climáticas] cria muitos desafios mas também muitas oportunidades", afirmou. Para ele, a indústria de finanças sustentáveis pode ser ainda mais criativa e produtiva.

Campos Neto reiterou que a sociedade demanda que o crescimento econômico seja sustentável e inclusivo. "A maturidade da população nesse aspecto mudou completamente [nos últimos anos]", pontuou.

O presidente do BC lembrou que o tema era tratado em um departamento dentro da autarquia e recentemente foi ampliado para uma dimensão na agenda institucional.

"Se queremos realmente mudar a cultura não podemos ser só um departamento, porque [o tema] precisa estar na cabeça de todo mundo", frisou.

"O primeiro dilema é que olhamos em volta e vemos medidas que se parecem mais com cartas de intenção. Se queremos ter resultados de forma transparente temos que fazer mais que uma carta de intenção e deixar que o mercado entenda dessa forma", ponderou.


Notícias relevantes: