Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Auxílio emergencial: Cerca de 12,4 milhões deve refazer cadastro

Agência Brasil | 05/05/2020 | 05:00

Pelo menos 12,4 milhões de brasileiros que pediram o auxílio emergencial de R$ 600 (R$ 1,2 mil para mães solteiras) devem refazer o cadastro no aplicativo do programa ou no site auxilio.caixa.gov.br, disse ontem (4) o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães. Segundo ele, estes tiveram seu cadastro dado como inconclusivo, porque as informações não puderam ser analisadas pela Dataprev, estatal de tecnologia que processa os pedidos.

De acordo com o presidente da Caixa, os cadastros inconclusivos podem estar relacionados a dados divergentes, como número do Cadastro de Pessoa Física (CPF), endereço e informações sobre dependentes.

Guimarães enfatizou que apenas os cidadãos com pedidos considerados inconclusivos podem refazer o cadastro. Quem teve o benefício rejeitado e recebeu a classificação de inelegível não pode retificar os dados.

Horário ampliado
Pedro Guimarães, disse que o banco conseguiu reduzir sensivelmente as filas para pagamento do auxílio emergencial. Desde de ontem (4), todas as 4,2 mil agências do banco começaram a abrir a partir das 8 horas para atender a demanda.

“As filas andaram mais rápido, temos o controle de várias agências nossas que tiveram filas muito grandes na semana passada e a grande maioria, se não totalidade, tiveram uma redução muito sensível”, afirmou ele. As agências permanecem abertas, segundo ele, até que o último cliente seja atendido.

Desde o início dos pagamentos, no último dia 27 de abril, filas foram registradas em todos os estados do país. “Aquele movimento represado na semana passada, agora a gente está normalizando”, pontuou o presidente.

Segundo Guimarães, a abertura também está garantida no próximo sábado (09/05), quando pelo menos 2,1 mil agências estarão em funcionamento.


Leia mais sobre |
Link original: https://www.jj.com.br/economia/auxilio-emergencial-cerca-de-124-milhoes-deve-refazer-cadastro/
Desenvolvido por CIJUN