Economia

Brasil fecha mais de 331 mil empregos formais em maio, aponta Caged

O Brasil fechou 331.901 postos de trabalho com carteira assinada em maio, segundo dados do novo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) divulgados hoje pelo Ministério da Economia. Com o resultado, o País acumula menos 1.144.875 empregos formais em 2020. O saldo negativo de maio foi influenciado principalmente pelo número de admissões, que registrou queda de 48% em relação ao mesmo mês de 2019. Ao todo, foram 703.921 contratações e 1.035.822 demissões em maio deste ano. Frente a abril, porém, houve aumento de 14% nas admissões, ainda de acordo com o Ministério da Economia. O crescimento se deu em todos os setores, com destaque para a construção (41,5%), agricultura (28%) e comércio (20,7%). Em relação aos desligamentos, foi registrada queda de 31,9% em relação ao mês de abril. Essa redução se deu especialmente no comércio (-36%), na indústria (-33,7%) e nos serviços (-33,1%). Sul tem pior resultado As cinco regiões do País tiveram saldo negativo de empregos formais em maio. Proporcionalmente, o pior resultado foi registrado no Sul, com redução de 1,10% — ou -78.667 postos de trabalho. No Sudeste, foram fechadas 180.466 vagas com carteira assinada (-0,92%). Na sequência, vêm Nordeste (-0,82%, -50.272 empregos), Norte (-0,58%, -10.151 empregos) e Centro-Oeste (-0,39%, -12.580 empregos). Dos 27 estados, apenas o Acre teve mais contratações do que demissões em maio: foram 1.127 novas vagas com carteira assinada no mês. Entre os estados com piores resultados estão Rio Grande do Sul (-1,31%, -32.106 empregos), Rio de Janeiro (-1,15%, -35.959 empregos), São Paulo (-0,88%, -103.985 empregos) e Minas Gerais (-0,84%, -33.695 empregos). Agricultura é destaque em 2020 Além do saldo de 15.993 novas vagas formais em maio, o setor de agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura também acumula resultado positivo em 2020: nos primeiros cinco meses do ano, foram criados 25.430 empregos com carteira assinada nestas áreas. As outras atividades econômicas, porém, somam resultado negativo em 2020. O setor de serviços foi o que mais fechou vagas formais, 143.479, seguido por indústria (-96.912), comércio (-88.739) e construção (-18.758).

Notícias relevantes: