Economia

Dívida pública federal sobe 9,5%

  A dívida pública federal subiu 9,5% em 2019 e chegou a R$ 4,248 trilhões, o maior patamar da série histórica. Os números, divulgados nesta terça-feira (28) pelo Tesouro Nacional, mostram que houve crescimento de 9,5% sobre 2018 na dívida mobiliária federal interna, que foi a R$ 4,083 trilhões. Enquanto isso, a dívida externa teve uma expansão de 11,7% na mesma base de comparação, a R$ 165,68 bilhões. A dívida pública é emitida pelo Tesouro Nacional para financiar o déficit orçamentário do governo federal, ou seja, para pagar despesas que ficam acima da arrecadação federal (com impostos, tributos e outros recolhimentos). O número ficou dentro do planejado pelo governo no começo de 2019. O chamado PAF (Plano Anual de Financiamento) -documento com diretrizes, estratégias e metas para o endividamento público no ano- determinava que o estoque da dívida oscilaria entre R$ 4,1 trilhões e R$ 4,3 trilhões. Do total da dívida, 18,68% vencem nos próximos 12 meses. O valor representa um aumento em relação ao ano anterior, quando o percentual ficou em 16,32%. Já o prazo médio de vencimento da dívida está em 3,97 anos, uma queda em relação ao observado em 2018 (4,11 anos). Participação de estrangeiros A participação dos investidores estrangeiros na dívida pública interna caiu em termos percentuais, de 11,22% ao fim de 2018 para 10,43% ao fim de 2019. Em valores absolutos, no entanto, o patamar subiu na mesma comparação, de R$ 418,4 bilhões para R$ 425,77 bilhões. Além dos estrangeiros, outros detentores de títulos públicos são instituições financeiras, fundos de investimento, entidades de previdência, seguradoras e o próprio governo. Para 2020, a dívida deve alcançar novo patamar recorde. O PAF do ano, divulgado também nesta terça-feira, orienta que a dívida pública federal varie entre R$ 4,5 trilhões e R$ 4,75 trilhões. O percentual da dívida a vencer em 12 meses deve ficar entre 20% e 23%. Já o prazo mé</CW>dio da dívida deve variar entre 3,9 e 4,1 anos.

Notícias relevantes: