Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Dólar vai a R$ 4,207, maior valor nominal

Da Redação | 18/11/2019 | 20:14

A cotação do dólar voltou a subir nesta segunda-feira (18) e fechou a R$ 4,2070, maior valor nominal (sem contar a inflação) da história. O recorde em valores reais (corrigido pela inflação brasileira) é de 2002, quando a moeda chegou a R$ 4 nominalmente, que hoje seriam R$ 10,80.

O dólar está em trajetória de alta desde o leilão do pré-sal, em 6 de novembro. A expectativa do mercado era de alta participação dos estrangeiros e grande entrada de dólares no país, o que não se concretizou.

Desde então, a cotação da moeda americana acumula alta de mais de 5%, indo de R$ 3,99 a quase R$ 4,21 nesta segunda. Nesta sessão, o dólar subiu 0,38% ante o real, que foi a terceira moeda emergente que mais se desvalorizou, atrás do peso colombiano e rand sul-africano. Na outra ponta, o peso chileno e o argentino se recuperam depois de fortes desvalorizações nas últimas semanas.

O movimento desta segunda foi impulsionado pelo temor de investidores com o acordo comercial entre China e Estados Unidos. Os países têm negociado a meses o que chamam “fase 1” do acordo, que retiraria algumas tarifas de importação entre si.

Segundo a rede de televisão americana CNBC, chineses estariam pessimistas com relação ao acordo com a relutância do presidente americano Donald Trump em remover tarifas a importações chinesas.

“A instabilidade da América Latina pesa na cotação há algumas semanas. Hoje, isso se juntou ao mau humor do mercado, que reflete a falta de um acordo entre China e Estados Unidos”, afirma José Francisco de Lima, economista-chefe do Banco Fator.

Com a notícia, índices acionários americanos fecharam em leve alta. A Bolsa brasileira caiu 0,27%, a 106.269 pontos. O volume negociado foi R$ 27,121 bilhões, sendo que R$ 9 bilhões foram exercício de opções ?de ações.

O risco-país medido pelo CDS (Credit Default Swap) de cinco anos sobe 2,2%, a 124 pontos, maior valor desde a aprovação da reforma da Previdência em segundo turno no Senado, em 23 de outubro. Neste período, o CDS chegou ao menor patamar desde 2013.

Inflação

A revisão de instituições financeiras para a inflação calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) este ano voltou a subir. A estimativa para o índice passou de 3,31% para 3,33%, no segundo ajuste consecutivo.

Para os anos seguintes não houve alterações: 3,60%, em 2020, 3,75% em 2021, e 3,50% em 2022. As estimativas estão reunidas em pesquisa realizada junto à instituições financeiras e elaborada semanalmente pelo Banco Central (BC). Os resultados são divulgados às segundas-feiras.

As projeções para 2019 e 2020 estão abaixo do centro da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. A meta de inflação, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é 4,25% em 2019, 4% em 2020, 3,75% em 2021 e 3,50% em 2022, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

O principal instrumento usado pelo BC para controlar a inflação é a taxa básica de juros, a Selic. Quando o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica.


Leia mais sobre
Link original: https://www.jj.com.br/economia/dolar-vai-a-r-4207-maior-valor-nominal/
Desenvolvido por CIJUN