Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Empreender exige coragem e planejamento

| 08/07/2014 | 22:11

Agir pela emoção é um dos principais erros do empreendedorismo, de acordo com o gerente do Sebrae em Jundiaí, Alexander Terra Antunes. A troca de uma carreira consolidada pela aposta no negócio próprio deve ocorrer de forma gradativa, com visão estratégica de mercado e, inclusive, possíveis testes a respeito da aceitação de determinado produto ou serviço. “É necessário ter aptidão, entender do que as pessoas precisam, identificar uma boa solução segundo as necessidades do mercado”, esclarece. 

Gabriela Galdão, no momento em que resolveu deixar o cargo de gerente de operações em uma multinacional para trás, saiu do setor de alimentação e foi para o mundo totalmente diferente da tecnologia da informação. Por mais que não seja o recomendado por especialistas migrar para um campo desconhecido, ela teve o facilitador de contar com a estrutura já formatada de uma pequena empresa da família. 

“Chegou um momento da minha vida profissional que comecei a me questionar a respeito de alguns procedimentos. Sugeria ideias, por exemplo, para melhorar processos no local onde eu trabalhava e não podiam ser colocadas em prática por questão de regras da empresa. Então, veio a vontade de ter algo meu”, afirma. Por um ano, mais ou menos, Gabriela considerou todos os aspectos para a tomada de decisão. E então considerou a possibilidade de, em vez de investir dinheiro em algo que ainda não sabia o que poderia ser, ajudar o pai nos negócios familiares. 

Desde abril de 2013, essa tem sido a empreitada da profissional. “Foi muito difícil, no começo, me adaptar a uma empresa pequena. Mas a experiência, em contrapartida, em uma multinacional, foi bem importante e ajudou muito. A responsabilidade em algo que é seu é muito maior”, pontua Gabriela. 

No ano passado, o objetivo da empresária na Nord Software foi entender do negócio e do mercado de atuação, fazer um planejamento de ações a curto, médio e longo prazos, definir estratégias para atingir essas metas e, inclusive, detectar pontos positivos e negativos da empresa por meio de contato mais forte com os clientes. “Nos reestruturamos, nos organizamos e, em 2014, estamos colhendo os resultados positivos. Planejamento era algo que a Nord não tinha, o crescimento era só orgânico”, diz Gabriela. 

Hoje, a empresa tem estatísticas como aumento de 110% nas visitas comerciais, seis vezes mais propostas apresentadas a possíveis clientes e o dobro de negócios fechados. “Acho que o segredo é entrar no negócio próprio de cabeça aberta e buscar ajuda em cursos, com especialistas. Além disso, é preciso saber tomar decisões, e rápidas.”


Link original: https://www.jj.com.br/economia/empreender-exige-coragem-e-planejamento/
Desenvolvido por CIJUN