Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Emprego está em alta na cidade, mas vagas exigem qualificação e experiência

SIMONE DE OLIVEIRA | 09/01/2019 | 05:00

Ainda é cedo para falar em quantidade de vagas de empregos para Jundiaí já neste primeiro semestre, mas uma coisa é certa: se a cidade continuar nos mesmos moldes do ano passado o saldo continuará positivo. Por isso a procura por uma colocação já deve ser iniciada, mas especialistas alertam que as empresas buscam além da qualificação técnicas, as comportamentais.

Segundo dados do Cadastro Geral de Empregos e Desempregados (Caged), órgão ligado ao Ministério do Trabalho, o acumulado de todo o ano passado (até novembro), o município apurou saldo positivo de 3.840 empregos formais deixando a cidade 12º colocada no ranking estadual, com serviços e comércio em destaque, porém a vinda de indústrias na Região deve aquecer esta área.

A coordenadora de RH da Nova RH, Janaina Lemes, diz que o momento é perfeito para quem busca uma colocação, mas alerta que mesmo com o mercado aquecido, as empresas têm buscado competências. “O mercado está favorável para a contratação desde o final do ano passado, mas é preciso que os candidatos tenham qualificação e experiência na área escolhida”, recomenda a coordenadora.

E quem já está com o currículo debaixo dos braços à procura de emprego espera que este ano comece bem. É o caso de Antônio Dewilson Ribeiro Veloso, de 21 anos. Com experiência na área de estética, ele resolveu migrar para a área financeira. “Há quatro meses estou desempregado, mas tenho uma experiência na área financeira e acho que será mais fácil encontrar uma colocação porque a demanda nesta área é bem melhor”, diz o morador lamentando que a experiência comprovada em carteira tem sido a exigência nas agências.

Há seis anos na área de logística, a moradora de Itupeva, Márcia Badin, 35 anos, se matriculou em psicologia e por isso a procura por esta área tem sido a meta. “Eu sei que não é fácil mudar de área quando se está muito tempo em outra, mas tenho que tentar porque estou estudando para isto. As empresas ficam receosas em contratar achando que a gente não terá comprometimento na nova função”, lamenta.

De acordo com o Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT) atualmente são 20 vagas disponíveis na unidade, porém existe uma variação do quantitativo à medida que se expira o prazo com data da entrevista ou o limite do número de candidatos encaminhado. Mesmo sem mencionar em quais áreas, a unidade reforça que as mesmas são atualizadas diariamente no site da Prefeitura de Jundiaí e podem ser conferidas também no aplicativo.

Com média de 200 pessoas atendidas atualmente, o cadastro no PAT pode ser realizado independente da vagas disponibilizadas, mas para qualquer uma delas é preciso experiência de pelo menos seis meses na função escolhida.  A Unidade de Gestão de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia (UGDECT) lembra que no acumulado do ano passado o setor de serviços apurou saldo positivo de 2.398 empregos formais; a indústria também registrou saldo positivo de 791 empregos formais, e comércio 304 empregos formais.

O número absoluto do saldo industrial correspondeu a 20,6% do saldo total no município, o que significa que o estoque de empregos industriais cresceu em Jundiaí, no ano, 1,90%, mais que o verificado no estado (1,40%) e no país (1,68%). Isso pode ser considerado um ótimo desempenho. Mesmo diante dos números, a unidade relata que fazer previsões sobre ofertas ainda é arriscado, devido ao início de mandato presidencial, mas está empenhada em contribuir para a geração de emprego e renda.

Mais otimista, o presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL), Edison Maltoni, diz que 2019 será um ano positivo assim como foi no ano passado. “Do total de lojistas entrevistados em uma pesquisa feita pelo Sincomercio em dezembro, 82,9% disseram que estão otimistas quanto ao crescimento este ano. A retomada da confiança do consumidor e a economia com o novo governo ajudarão”, comenta.

Ainda segundo a pesquisa, dos 58,5% dos entrevistados que contrataram temporários, cerca de 27,8% já sinalizaram que pretendem efetivá-los. “Em outros períodos tivemos um saldo de 20%, ou seja, as contratações confirmam as perspectivas positivas para o setor.”

Rui Carlos

Rui Carlos


Link original: https://www.jj.com.br/economia/emprego-esta-em-alta-na-cidade-mas-vagas-exigem-qualificacao-e-experiencia/
Desenvolvido por CIJUN