Economia

Juros baixos vão aquecer a economia até o final deste ano


FLORES ORNAMENTAIS IBIS ERICH BILLER
Crédito: Reprodução/Internet
Com a redução da taxa básica de juros (Selic) de 6% para 5,5%, motivada por uma inflação baixa e controlada, o Brasil alcançou a menor porcentagem de juros de toda a sua história. Como consequência, um aquecimento da economia e uma retomada dos setores produtivos podem marcar o final de 2019 como o início da recuperação econômica do país, liderada por um aumento nos investimentos e pela geração de empregos. Isso porque os juros baixos diminuem os rendimentos de poupanças e aplicações, fazendo com que os investidores que estão com o dinheiro "parado" sejam obrigados e investi-lo em outros negócios para aumentar seu rendimento e fazer com que parte de seu capital não fique estagnado. E é exatamente a retirada desse dinheiro aplicado o fenômeno responsável pelo aumento da atividade econômica que o Brasil tanto precisa. O diretor-titular da Ciesp-Jundiaí, Marcelo Cereser, comenta que o cenário é de expectativa para um crescimento da atividade econômica no país até o final do ano. "A instabilidade do cenário econômico fez com que os investidores deixassem grande parte de seu dinheiro parado nos últimos anos, para não correr riscos. Mas a baixa nos juros faz com que esse capital parado não seja mais rentável, e irá incentivar os detentores do dinheiro a movimentá-lo. Entre a alternativas estão a injeção de capital nas empresas - como compra de novos equipamentos -, a migração para outras áreas - como as startups - o investimento em treinamentos para funcionários e ações de marketing etc. Os investidores são muito sensíveis a qualquer instabilidade e especulação, mas serão obrigados a tirar ser dinheiro de aplicações não rentáveis e investi-lo em negócios um pouco mais arriscados", completa. O economista Messias Mercadante de Castro, gestor de desenvolvimento econômico da prefeitura de Jundiaí, conta que, no caso de Jundiaí, novas empresas chegaram nos últimos anos e os investimentos realizados em 2017 e 2018 estão começando a gerar frutos bastante positivos a nível municipal. “A vinda de novas empresas melhora o ambiente econômico do município e gera novos empregos. A baixa nos juros e a inflação controlada também são positivas, no sentido de baratear os financiamentos e parcelamentos, incentivando o consumidor a ir às compras e aquecendo ainda mais a economia, que deve ter uma melhora visível até o final do ano. Vale lembrar que esse efeito é macroeconômico e atinge todo o Brasil”, comenta.  

Notícias relevantes: