Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Mesmo com estímulos de BCs, Bolsa cai mais de 5% e dólar sobe para R$ 5,13

Folhapress | 23/03/2020 | 18:09

Apesar de grandes pacotes de estímulo de bancos centrais, índices acionários fecharam em queda pelo segundo pregão seguido nesta segunda-feira (23).

A Bolsa brasileira caiu 5,22%, a 63.569 pontos, menor patamar desde julho de 2017. O dólar subiu 2,17%, a R$ 5,1352, maior valor desde quarta (18), quando bateu o recorde de R$ 5,20.

Segundo analistas, o mercado foi frustrado pela dificuldade do governo de Donald Trump aprovar o pacote e estímulo econômico de cerca de US$ 2 trilhões em resposta à crise do coronavírus no Senado americano.

A medida, em debate na casa, foi barrada por democratas em duas votações. Eles alegam que o pacote é desproporcional por focar em companhias e teria que dar mais assistência a famílias e prestadores de serviço de saúde.

Sem um acordo entre democratas e republicanos, Dow Jones caiu 3,04% e S&P 500, 2,93%, Nasdaq teve leve queda de 0,27%.
Segundo James Bullard, presidente do banco central de St. Louis, nos Estados Unidos, o coronavírus pode levar a taxa de desemprego americana para o recorde de 30%.

Nesta segunda, bancos centrais anunciaram grandes pacotes para prover liquidez aos mercados. Nos EUA, o Fed, banco central americano, anunciou expansão dos empréstimos, a juro próximo de zero, com o objetivo de desbloquear os mercados de crédito que travaram na semana passada.

O Fed também disse que as aquisições de títulos do Tesouro e hipotecárias que aprovou nos últimos dias são ilimitadas. Apenas nesta semana, serão comprados US$ 375 bilhões em títulos do Tesouro e US$ 250 bilhões em títulos hipotecários.

O banco central também anunciou que começaria a adquirir títulos comerciais lastreados por hipotecas emitidos por entidades garantidas pelo governo, que consistem basicamente de títulos de dívida caucionados por edifícios de apartamentos.

“Embora ainda exista grande incerteza, se tornou claro que nossa economia enfrentará grandes perturbações. Esforços agressivos devem ser realizados pelos setores público e privado a fim de limitar as perdas de empregos e renda e para promover uma recuperação acelerada quando as perturbações se forem”, disse o banco.

Em movimento semelhante, o Banco Central (BC) do Brasil e o CMN (Conselho Monetário Nacional) autorizaram que bancos captem dinheiro por depósitos a prazo usando o FGC (Fundo Garantidor de Créditos) como garantia, o que permitiria uma expansão da concessão de crédito em cerca de R$ 200 bilhões.

O CMN também autorizou que o BC conceda empréstimos a instituições financeiras garantidos em debêntures adquiridas entre 23 de março e 30 de abril de 2020.

O BC reduziu novamente a alíquota de depósitos compulsórios dos bancos de 25% para 17%, o que também ajuda a elevar a liquidez dos bancos. A estimativa é que a mudança resulte numa liberação de R$ 68 bilhões a partir do dia 30 de março.

Nesta segunda, o BC vendeu US$ 739 milhões em três leilões à vista para reduzir a alta do dólar, que chegou a R$ 5,143, mas fechou a R$ 5,1352. O turismo está a R$ 5,3481 a venda. Em algumas casas de câmbio, é vendido acima de R$ 5,41.


Leia mais sobre | | | |
Link original: https://www.jj.com.br/economia/mesmo-com-estimulos-de-bcs-bolsa-cai-mais-de-5-e-dolar-sobe-para-r-513/
Desenvolvido por CIJUN