Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Redução de preço da gasolina ainda não chega às bombas

VINICIUS SCARTON | 05/01/2019 | 05:04

A Petrobras reduziu em 2,73% o preço da gasolina em suas refinarias, na última quinta-feira (3), levando o valor ao menor patamar em 15 meses. No entanto, não há previsão de quando o preço reduzido chegará às bombas dos 89 postos de Jundiaí, de acordo com o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo de Campinas (Recap), Flávio Campos.

Segundo a estatal, o litro do combustível é vendido a R$ 1,4675, em média. Em valores corrigidos pela inflação, a última vez em que o litro da gasolina foi vendido nas refinarias por menos de R$ 1,50 foi em meados de setembro de 2017. Depois, os preços dispararam, acompanhando a escalada das cotações internacionais do petróleo até atingirem, um ano depois, o recorde de R$ 2,2676 por litro, também corrigidos pela inflação.

“Ainda não sabemos se as distribuidoras vão fazer o repasse aos postos. Até porque os postos compram a gasolina C (mistura da gasolina A com álcool), que é vendida pelas distribuidoras, e a redução anunciada é para a gasolina A”, explica Campos.
De acordo com o presidente do Recap, outros fatores serão preponderantes para que a redução chegue às bombas.

“O ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e o valor do etanol composto na gasolina C, já que estamos numa época de entressafra e o etanol não está sendo produzido”, ressalta. Nas Campos diz que o quadro é de muito otimismo. “Estamos torcendo para que o dólar caia mais, aliado ao valor do petróleo, o que pressionará o preço para baixo”, diz.

PELA CIDADE
Por enquanto, o preço da gasolina comum varia de R$ 3,94 a R$ 4,39 em Jundiaí. Na rua Bom Jesus de Pirapora, o gerente de um posto de combustíveis, Paulo Gonçalves, afirma que o estabelecimento está comercializando gasolina comum e aditivada por R$ 3,94. “Mas estou esperançoso que nos próximos dias a distribuidora possa revender o combustível com valor ainda mais em conta, para que possamos oferecer aos consumidores um preço mais atrativo”, diz.

Para Gonçalves, a redução no preço da gasolina é vista com bons olhos. “Melhora o movimento consideravelmente”, comenta.
Na mesma região da cidade, o gerente de outro posto de combustíveis, Guilherme Berganton, explica que no mês passado o estabelecimento chegou a comercializar a gasolina com o valor de R$ 3,79. “O preço foi promocional e válido somente naquele mês e, agora, a gasolina é vendida a R$ 3,94. A expectativa é que haja uma nova redução num prazo de duas ou três semanas”, estima.

É o que espera o vendedor Ananias Reis, 51 anos. “Circulo diariamente por motivos profissionais e o gasto é grande”, diz.
Para a compradora Daniela André Gomes, 43 anos, a possível queda no valor do combustível será um alívio para o bolso. “Tenho a esperança que realmente aconteça”, comenta. O designer Willian do Nascimento, 24 anos, espera que a redução chegue até o consumidor final em breve. “Abasteço o meu veículo diariamente e a despesa é alta”, explica.

Rui Carlos

Rui Carlos


Link original: https://www.jj.com.br/economia/reducao-de-preco-da-gasolina-pode-nao-chegar-as-bombas/
Desenvolvido por CIJUN