Acervo

Complexo Jundiaí vai beneficiar 420 mil pessoas


2014-09-19_22-12-15_1
Crédito: Reprodução/Internet

Intermediado pelo Governo do Estado de São Paulo, planejado pela concessionária CCR/Autoban e aguardado pela população, o Complexo Jundiaí - composto pelas alças de acesso da rodoviária de Jundiaí, no quilômetro 58 da Anhanguera, e o viaduto para ligar as avenida Osmundo Santos Pellegrini e Jaciro Martinasso, sobre o quilômetro 60 da mesma rodovia - deve beneficiar, quando pronto, 420 mil pessoas direta e indiretamente.

A estimativa é de Roberto Siriani, diretor de atendimento da concessionária CCR/Autoban - responsável pela administração do Sistema Anhanguera-Bandeirantes e executora da obra. “Por dia são 86 mil veículos que trafegam entre esses quilômetros na Anhanguera. Somado a isso, levamos em consideração mais de 200 mil moradores da cidade, em especial do Vetor Oeste e região central, que se beneficiarão com o novo viaduto e alças”, explica.

A expectativa chega ao número total quando também são somados os passageiros dos ônibus intermunicipais e interestaduais que entram e saem da rodoviária de Jundiaí, além das pessoas que moram em cidades vizinhas. “As duas obras trarão benefícios imediatos para toda a Região”, afirma Siriani.

Orçadas em R$ 191,3 milhões, os projetos devem ser entregues no fim do primeiro semestre de 2016, já que as construções começam no próximo mês de dezembro e levarão dois anos e meio para serem concluídas. “O mais difícil já foi feito, que é o estudo para analisar a viabilidade da obra. Foram cinco anos de planejamento, até a aprovação final dos projetos”, diz o diretor da Autoban.

O grande período de planejamento, segundo Siriani, é justificado pelo estudo do tráfego regional e a origem e destino dos veículos que partem da rodoviária. “Entender o sistema foi fundamental para não causar impacto negativo aos usuários.”

Para a execução das obras, os recursos utilizados serão provenientes da receita de pedágio e financiamentos da concessionária. Apesar dos gastos, Siriani garante que não haverá alteração na cobrança da tarifa. “Fizemos o estudo contemplando todos os detalhes, e o valor do pedágio não sofrerá influência decorrente das obras.”

Especificações - Após a licitação que vai determinar a empresa responsável pela condução das obras, cerca de 400 funcionários vão trabalhar diariamente nos empreendimentos. Construída no quilômetro 58 da Anhanguera, a alça de acesso da rodoviária vai contar com entradas e saídas para os sentidos Capital e Interior.

Hoje, os veículos que partem do terminal rodoviário com destino a São Paulo precisam trafegar por cerca de um quilômetro, até o trevo da avenida Jundiaí, para posteriormente fazer o retorno e seguir pelo sentido correto. Já os ônibus que chegam de Campinas e desejam entrar na rodoviária, hoje passam pelas avenidas Jundiaí e Nove de Julho, pois ainda não há acesso para o terminal pela Anhanguera.

“Com a construção das alças, esse problema será resolvido, pois o sistema proporcionará um novo acesso mais próximo da rodoviária”, afirma o diretor. A segunda obra é construção do viaduto de 313 metros sobre a Anhanguera, que vai ligar as avenidas Osmundo Santos Pelegrini e Jaciro Martinasso, o que resultará em uma nova interligação entre os bairros Medeiros, Eloy Chaves e Fazenda Grande ao Centro de Jundiaí.

Além do Complexo Jundiaí, a CCR/Autoban estuda melhorias e a implantação de nova faixa entre os quilômetros 50 e 56 da Anhanguera, próximos à entrada de Jundiaí.


Notícias relevantes: