Esportes

Paysandu mira fator casa contra Remo, que defende invencibilidade


© PAYSANDU SPORT CLUB
Estádio do Pysandu_Nova Curuzú
Crédito: © PAYSANDU SPORT CLUB

Este domingo (4) é dia de clássico no Pará: Remo e Paysandu se enfrentam a partir das 17h (horário de Brasília) no Estádio da Curuzu, em Belém, pela quarta rodada da Primeira Fase do Campeonato Paraense. O Estadual voltou neste fim de semana, após ser interrompido no último dia 14 de março, devido à determinação do Governo do Pará que proibiu a realização de jogos de futebol na região metropolitana da capital, para tentar conter a disseminação do novo coronavírus (covid-19). Os rivais estarão frente a frente pela 760ª vez desde 1914. O primeiro clássico paraense da temporada será transmitido ao vivo pela TV Brasil

Os dois times estão invictos e lideram as respectivas chaves no Estadual. O Papão tem sete pontos e encabeça o Grupo A. Há duas semanas, a equipe bicolor venceu o Carajás por 2 a 1 no estádio Mamazão, em Belém, pela terceira rodada. O Leão Azul é o único clube com 100% de aproveitamento, com nove pontos, na ponta do Grupo B. O time remista vem de triunfo em cima do Itupiranga no estádio Baenão, também na capital paraense, por 1 a 0.

O retrospecto recente do Re-Pa favorece ao Remo, que não perde do maior rival há quatro jogos - todos na Série C do Campeonato Brasileiro de 2020. A invencibilidade foi determinante na briga direta com o Paysandu pelo acesso à Série B. Especialmente no último embate entre eles. A vitória por 1 a 0, em janeiro deste ano, no Mangueirão, na penúltima rodada da Série C, garantiu o Leão Azul de volta à segunda divisão nacional após 13 anos. O Papão chegou à rodada derradeira também podendo subir, mas foi derrotado pelo Ypiranga-RS e viu o Londrina ascender com o Remo.

"Isso [invencibilidade] para nós é muito importante, dá confiança nesse início de trabalho. Tentaremos continuar o invictos o máximo possível. Sabemos o quanto somos cobrados pelos resultados no Remo. A semana do Re-Pa é diferente. Essa atmosfera é bem legal. Mas procuro ficar tranquilo, pensar no que posso fazer para ajudar minha equipe. Durante a semana, a gente trabalha bastante essa parte mental", destacou o meia Lucas Siqueira, do Remo, em entrevista coletiva.

O capitão remista é um dos remanescentes da campanha do acesso à Série B. Após o campeonato nacional, 11 atletas deixaram o Leão Azul, que se virou com atletas jovens, formados no clube. Em meio à reconstrução, o time azulino chegou à final da Copa Verde, mas foi derrotado pelo Brasiliense na decisão.

A base foi mantida e reforçada por jogadores como o lateral Thiago Ennes, o volante Anderson Uchoa e os atacantes Renan Gorne e Gabriel Lima, todos prováveis titulares. O técnico Paulo Bonamigo deve repetir a formação que bateu o Esportivo-RS por 2 a 0, no último dia 17, em Bento Gonçalves (RS), pela Copa do Brasil, promovendo somente a volta de Vinícius ao gol, recuperado da covid-19. O Leão deve atuar com Vinícius; Thiago Ennes, Fredson, Rafael Jansen e Marlon; Anderson Uchoa, Lucas Siqueira e Felipe Gedoz; Dioguinho, Renan Gorne e Gabriel Lima.

Com o Mangueirão fechado para obras, o clássico será na Curuzu, que é o estádio do Paysandu. O último Re-Pa na casa do Papão foi em 2002. Na ocasião, a vitória foi do Remo, por 2 a 0, encerrando uma série de 11 jogos sem triunfos no duelo, mas o histórico é favorável aos anfitriões, que ganharam 85 vezes, com 76 empates e 74 derrotas para o Leão Azul.

"Os últimos clássicos não foram bons para o nosso lado, mas por jogarmos em nossa casa, na Curuzu, este tem um peso maior. Tratando-se do Paysandu, temos que entrar para vencer todos os jogos, independente do adversário. Acho que não dá para cravar o que mudou [do último Re-Pa]. Mudaram praticamente todos os jogadores, mas este grupo está crescendo, melhorando a cada partida", disse o meia-atacante Marlon, também em entrevista coletiva.

Assim como o Remo, o Paysandu tem atletas recuperados da covid-19 (o lateral Diego Matos e o volante Ratinho), mas o técnico Itamar Schülle não confirma a escalação por conta da falta de ritmo de treino e de jogo. Se repetir a equipe que derrotou o Carajás, o Papão deve ir a campo com Victor Souza; Israel, Perema, Yan e Diego Matos (Bruno Collaço); Ratinho (Elyeser), Denilson e Ruy; Marlon, Ari Souza e Nicolas.


Notícias relevantes: