Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Hamilton vence no Japão, mas descarta a celebração

| 05/10/2014 | 21:33

Ainda faltavam 13 voltas para o encerramento do GP do Japão quando a chuva, trazida pelo tufão Phanfone, começou a apertar em Suzuka. Poucos minutos depois, dois acidentes, na mesma curva Dunlop, fizeram com que a F-1 presenciasse a mais grave ocorrência desde a batida que deixou Felipe Massa em coma após ser atingido por uma mola no capacete durante a classificação para o GP da Hungria, em 2009.

A vítima, desta vez, foi o francês Jules Bianchi, de 25 anos, da Marussia, que perdeu o controle após aquaplanar na pista e se chocou contra a traseira de um guindaste que estava no local para retirar o Sauber de Adrian Sutil, que escapara da pista apenas duas voltas antes. Bianchi foi retirado do carro inconsciente e levado ao centro médico do circuito. Por conta da gravidade da lesão, porém, foi encaminhado ao Hospital Geral de Mie, próximo do autódromo japonês. Operado para tratar do que a FIA chamou de “grave lesão cerebral”, o francês foi transferido para a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) ao final do procedimento.

Apesar de a Marussia não ter se pronunciado sobre o estado de saúde dele até o fechamento desta edição, a Ferrari, time do qual ele faz parte do programa de talentos, informou que Bianchi respira sem auxílio de aparelhos. O hospital, por sua vez, informou que distribuiria um boletim médico somente hoje no Japão.

Por isso, o pódio do GP do Japão não teve banho de champanhe nem comemoração. Nem mesmo Lewis Hamilton, que tinha motivos de sobra para estar contente após conseguir a oitava vitória neste ano, conseguiu sorrir.
O triunfo, o primeiro em Suzuka, fez com que ele aumentasse de três para dez pontos a vantagem sobre Nico Rosberg, faltando só mais quatro provas para o encerramento do campeonato.

“Foi um dia complicado, uma corrida com muita chuva e só espero que o Bianchi esteja bem”, afirmou, ainda no pódio, ao lado de Rosberg, o segundo colocado, e Sebastian Vettel, o terceiro neste domingo (05). “Eu tinha muito mais ritmo que o Nico e foi uma questão de tempo. Com a ajuda da asa móvel eu consegui fazer a ultrapassagem e aí mudei meu jeito de guiar porque não precisava mais atacar”, explicou Hamilton, que chegou ao Japão disposto a, pela primeira vez no ano, passar mais de uma corrida com a liderança do campeonato nas mãos.

“Meu carro estava fantástico e assim que superei o Nico pude aproveitar a corrida”, disse ele, que com o resultado deu à Mercedes a oitava dobradinha na temporada. Já Rosberg mostrou-se resignado com o resultado. “Lewis fez um trabalho melhor que o meu e mereceu vencer.”

Classificação do GP do Japão: 1) Lewis Hamilton (ING/Mercedes) – 1h51min43s021; 2) Nico Rosberg (ALE/Mercedes) – a 9s180; 3) Sebastian Vettel (ALE/Red Bull) – a 29.122; 4) Daniel Ricciardo (AUS/Red Bull) – a 38.818; 5) Jenson Button (ALE/McLaren) – a 1min07s550; 6) Valtteri Bottas (FIN/Williams) – 1min53s773; 7) Felipe Massa (BRA/Williams) – a 1min55s126; 8) Nico Hülkenberg (ALE/Force India) – a 1min55s948; 9) Jean-Eric Vergne (FRA/Toro Rosso) – a 2min07s638 e 10) Sergio Pérez (MEX/Force India) – a 1 volta.


Link original: https://www.jj.com.br/esportes/hamilton-vence-no-japao-mas-descarta-a-celebracao/
Desenvolvido por CIJUN