Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Morador do Jd. Esplanada paga para ter segurança particular

| 15/05/2014 | 11:43

 

O Jardim Esplanada, na região Sul de Jundiaí, é, à primeira vista, um bairro tranquilo. Mas um olhar mais atento revela que o bairro sofre da síndrome da insegurança. Quase toda residência conta com uma placa que indica que aquele ambiente é monitorado por vigilantes particulares. Alguns estabelecimentos comerciais contam com segurança particular na porta. E na conversa com os moradores, o tema segurança – ou a falta dela – é sempre recorrente.

“Mês passado levaram três carros que estavam estacionados na rua Florianópolis. Vinte dias atrás entraram em uma das casas do bairro e fizeram a limpa”, conta o aposentado João Luiz Thiegue, 74 anos. Segundo a população local, essa insegurança é causada pela falta de policiamento no bairro. “É difícil ver carro da polícia ou mesmo da Guarda Municipal aqui no bairro”, garante Thiegue. 

Os moradores pagam entre R$ 40 e R$ 50 por mês para os vigilantes particulares que se revezam das 20h às 5h em três guaritas espalhadas pelo bairro.  “Isso nos dá tranquilidade para sair ou chegar em casa. É só a gente ligar que o vigilante nos acompanha na entrada ou na saída.  E eles estão sempre alerta na movimentação do bairro e em situações estranhas ao cotidiano das casas”, revela o aposentado Ricardo Finatti Neto, 61 anos.

Prejuízo maior têm os comerciantes do bairro. Marina Souza, 57 anos, dona de uma loja de roupas na rua Dr. José Napoleão Mazzalli há 27 anos, paga mais de R$ 1 mil para manter um segurança na porta do estabelecimento durante todo o horário comercial. “Fui assaltada diversas vezes durante o dia e a mão armada. O segurança particular me dá uma sensação de segurança”, conta. Ela lembra que o Jardim Esplanada fica a poucos metros da Estrada Velha de São Paulo, o que facilita a fuga dos bandidos.  

André Luiz da Silva, 47 anos, tem um açougue na rua Florianópolis há sete anos e depois de sucessivos assaltos investiu R$ 3 mil em equipamentos de monitoramento, como câmeras de segurança, e contratou um vigilante particular que consome R$ 2 mil por mês. “A gente paga os impostos, mas nem o Estado nem o município garantem segurança e a gente tem que arcar com o prejuízo”, reclama.

Procurada, a Polícia Militar se limitou a responder por meio de nota. “A Instituição adota medidas para a prevenção criminal na região de Jundiaí por meio de programas de policiamento, com destaque para o Radiopatrulhamento, a Força Tática, o Policiamento Comunitário e as Rondas com Apoio de Motocicleta (ROCAM). No ano de 2014, os policiais militares do 11º Batalhão de Polícia Militar do Interior, responsáveis pelo policiamento naquela região, no mês de janeiro, detiveram 53 pessoas em flagrante delito, retiraram das ruas 5 armas de fogo e recuperaram 38 veículos produto de roubo/furto.”

Também em nota, a Guarda Municipal garante que realiza patrulhamento comunitário na região Sul da cidade diuturnamente. “Além dos guardas motorizados, temos o auxílio das câmeras de monitoramento que ajudam no combate às irregularidades.” De acordo com as estatísticas da Guarda Municipal, nos meses de janeiro e fevereiro deste ano, a GM atendeu duas ocorrências no Jardim Esplanada  e  dez ocorrências na Vila São Sebastião, referentes a tráfico de drogas e furtos. “Dentro do que lhe compete, a GM atua sempre de forma supletiva aos outros órgãos de segurança como a Polícia Militar e a Polícia Civil.”

Link original: https://www.jj.com.br/jj-nos-bairros/morador-do-jd-esplanada-paga-para-ter-seguranca-particular/
Desenvolvido por CIJUN