Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Um campeão que voava nas pistas

| 20/05/2014 | 17:33

Num domingo, há 20 anos, no dia primeiro de maio de 1994, um acidente matou o piloto Ayrton Senna da Silva, na época com 34 anos de idade. Com três títulos mundiais e dois vices no currículo, Senna estreou aquela temporada na Willians, equipe que havia faturado o campeonato nos dois anos anteriores. Piloto campeão e carro de primeira tinham tudo para engrenar naquele ano, mas a história foi bem diferente.

Paulistano
Senna nasceu em São Paulo, no bairro de Santana, em 1960. Seu pai, Mário, era dono de uma metalúrgica e curtia muito automobilismo. O filho herdou o gosto pela velocidade. Passou, aos 8 anos, a competir no kart. Muito jovem, tentou seguir a carreira de piloto na Europa. Morou na Inglaterra e correu por diversas categorias. Quase desistiu do automobilismo, e chegou a voltar para o Brasil para seguir trabalhando na indústria do pai.

Retornou à Europa e estreou na Fórmula 3 em 1981. Passou para a Fórmula 1, a mais conhecida do automobilismo, em 1983, correndo na pequena equipe Toleman. Chamou a atenção do mundo no ano seguinte, ao largar no Grande Prêmio de Mônaco em 13 º lugar, com um carro bem inferior ao da maioria, e chegar em segundo, depois de ameaçar o líder Alain Prost. Uma chuva forte interrompeu o GP, e Senna ficou em segundo.

Lotus
Em 1985, passou para a Lotus-Renault, equipe com a qual conquistou sua primeira vitória na categoria, no GP de Portugal. Foram três temporadas e seis vitórias na equipe inglesa. No ano de 1988, estreou na Mclaren-Honda, escuderia que lhe daria mais vitórias e a briga por títulos. Nesse ano, a equipe venceu 15 das 16 corridas, e a dupla Senna e Alain Prost ficou com o título (para o brasileiro) e o vice-campeonato (para o francês).

Mais títulos
O brasileiro foi vice-campeão em 1989, e voltou a vencer o campeonato em 1990 e 1991. Em 1993, voltou a ser vice-campeão. Em 1994, passou para a Willians, equipe campeã nas duas temporadas anteriores. As duas primeiras provas da temporada não foram das melhores: duas poles de Senna mas o abandono em ambas as provas.

Acidente
O fim de semana do GP de San Marino, o terceiro da temporada, ficou marcado por tragédias. O piloto austríaco Roland Ratzenberger acidentou-se nos treinos e morreu no hospital, pouco depois. O brasileiro Rubens Barrichello também se acidentou, mas sem gravidade. Na corrida, Senna liderava a prova quando se chocou a mais de 200 km por hora contra o muro de proteção, na curva Tamburello.

A barra de direção do carro quebrou, e o piloto não conseguiu fazer a curva. Ayrton Senna foi o último piloto a morrer numa corrida de Fórmula 1. Depois dos acidentes que vitimaram o austríaco e o brasileiro, a categoria tomou decisões que melhoraram sua segurança. Houve acidentes mais terríveis, envolvendo diversos carros, com voos espetaculares, mas ninguém mais morreu num Grande Prêmio de F 1.

Números
Senna participou de 161 GPs, venceu 41 provas e obteve 62 poles (o primeiro lugar no grid de largada). Foi campeão mundial em 1988, 1990 e 1991, e vice em 1989 e 1993. A carreira de Senna ficou eternizada por sua habilidade e determinação. Sem dúvida, um supercampeão.


Link original: https://www.jj.com.br/jotinha/um-campeao-que-voava-nas-pistas/
Desenvolvido por CIJUN