Jundiaí

Mesmo com preços elevados, setor de eletroeletrônico se mantém ativo

O setor de entretenimento se tornou essencial para muitas pessoas que começaram a passar mais tempo em casa em isolamento social e esta demanda refletiu diretamente no preço


Alexandre Martins
Rogério Pinheiro
Crédito: Alexandre Martins

Além da alta dos preços dos alimentos e materiais de construção civil nos últimos meses, os consumidores têm enfrentado a alta dos preços do setor de eletroeletrônicos, principalmente os videogames, computadores, acessórios e peças de assistência. O setor de entretenimento se tornou essencial para muitas pessoas que começaram a passar mais tempo em casa em isolamento social e esta demanda refletiu diretamente no preço, além da crise econômica e da alta do dólar que impactou no aumento no setor.

O proprietário de uma loja de jogos e assistência técnica, Rogério Pinheiro, de 44 anos, conta que o aumento do preço dos videogames e acessórios foi de até 60%. “A procura por esses aparelhos aumentou na quarentena, tanto para compra como para assistência técnica, mesmo com a alta do preço. Venda de videogames novos eu trabalho apenas com peças sob encomenda e os modelos que custavam em torno de R$1.700 passaram a custar R$2.500.”

Os acessórios também tiveram alta nos preços, um controle para o modelo de videogame xbox, por exemplo, passou de R$ 275, preço habitual até março, para R$370. Segundo Pinheiro, nos últimos 20 dias o produto teve uma nova alta passando a custar R$ 470. “Esse tipo de produto é procurado por faixas etárias diferentes, então com as pessoas mais tempo em casa, mesmo com essa alta nos preços, elas acabam comprando, além de ser um produto que quebram com maior facilidade”, completa.

Outra área que também teve reajuste nos preços foram os computadores, mesmo com a grande procura. Elton Pallnarer Siketo Quirino, de 44 anos, proprietário de uma loja de informática, manutenção e que realiza vendas de computadores e notebooks, comenta que os computadores que antes da pandemia custava R$1.600 agora passaram para R$2.100, mas, do ponto de vista econômico, o retorno tem sido muito positivo. “Mesmo subindo o preço das peças de reposição e de produtos novos, o mercado de informática melhorou muito, pois as pessoas mudaram de hábitos em relação ao uso do celular, migrando para os notebooks. Antigamente todos usavam celular, mas hoje precisam de pelo menos um computador para estudar e trabalhar em casa por causa do isolamento social”, explica.

Além do ramo dos eletroeletrônicos, o setor de artigos esportivos se mostra ativo e acompanha a alta dos preços. Edson de Assis, de 55 anos, proprietário de uma loja de bicicletas e acessórios, ressalta o aumento da procura pelos artigos esportivos. “Percebemos novos consumidores novas para este setor, mesmo com a alta do preço dos produtos nacionais e importados que custavam em média R$3.500 e passaram a custar R$4500. Os nacionais também tiveram aumento em torno de 10% a 15%”, diz

ASSISTÊNCIA TÉCNICA
Os consumidores têm notado a alta dos preços e buscado por opções que não apertem tanto o bolso. Rosana Santos, de 44 anos, trabalha na área comercial e estava a procura de um notebook para facilitar os estudos em casa, já que está cursando o último ano da faculdade.

Com a alta dos preços a opção foi comprar um notebook seminovo. “Depois de pesquisar os preços dos modelos novos, percebi que seria inviável fazer a aquisição pois os preços estavam relativamente mais altos. Eu havia feito uma pesquisa antes da pandemia e já havia achado caro, agora então está muito mais”, argumenta.

A solução foi comprar um produto em bom estado que atendesse as suas necessidades. “Optei pela compra de um notebook seminovo, que tem atendido perfeitamente as minhas necessidades para assistir as minhas aulas on-line, por um custo bem acessível”, completa

Com a alta dos preços, os serviços de manutenção têm sido solução para muitos consumidores que querem economizar. Rogério Pinheiro explica que o consumo de videogames seminovos se mantém e são a preferência dos clientes locais. “Hoje, um videogame seminovo, com garantia da nossa loja, custa em torno de R$1.250 a R$1.850, além da opção de troca que temos na loja, muitas pessoas trazem os seus videogames usados e conseguimos comprar ou fazer descontos. É uma saída para o cliente e para nós vendedores”, completa.


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: