Jundiaí

Mais do que a doença é preciso tratar o preconceito

Hoje é comemorado o Dia Mundial de Conscientização da Psoríase


ALEXANDRE MARTINS
Valdeir Guilherme Schinit, de 46 anos, teve o diagnóstico em 2007
Crédito: ALEXANDRE MARTINS

A psoríase, doença de pele inflamatória crônica e não contagiosa, tem afetado milhares de pessoas em todo o mundo e para lembrar sobre a importância do tratamento precoce, hoje é comemorado o Dia Mundial de Conscientização da Psoríase.

Segundo o dermatologista Glaucos Paraluppi, de 43 anos, a psoríase é uma doença que acomete aproximadamente cerca de 1% da população no país e pode aparecer em qualquer faixa etária, mas geralmente é mais comum na fase adulta. "O diagnóstico é clínico e os principais sintomas são manifestações cutâneas avermelhadas que causam o descamamento da pele mais comuns em articulações como cotovelos, joelhos, braços e pernas. No entanto, ela pode acometer também mucosas, unhas e o couro cabeludo também", explica o professor do curso de dermatologia da Faculdade de Medicina de Jundiaí (FMJ).

Quem reforça a importância do tratamento para a doença é o fundidor de moldes Valdeir Guilherme Schinit, de 46 anos, que teve o diagnóstico de psoríase em 2007. O tratamento inicial não surtiu efeitos, por isso a intensidade dos sintomas passaram de leve para grave. "Tive que parar com o medicamento que eu tomava porque ele causou alterações no meu fígado e não estava contendo as lesões de fato. Neste período, tive um agravamento no meu quadro clínico, com manchas por todo o corpo, ficando em estado febril e com muita coceira", explica.

Em 2015, já realizando acompanhamento médico, Schinit fez novos exames e uma biópsia na pele para verificar a possibilidade de iniciar um novo tratamento com um novo medicamento. "Nessa biópsia foi constatado novamente a psoríase e a dermatite, que seria a inflamação da pele. Iniciei o uso de uma injeção aplicada na barriga a cada 14 dias para realizar o controle da doença e desde então estou estável sem lesões na pele, mas continuo tomando os cuidados diários como hidratar a pele com cremes, por exemplo", completa.

TRATAMENTOS

Apesar de não ter cura, a psoríase tem tratamento efetivo que pode garantir o controle da doença. O aparecimento da psoríase apresenta uma base genética como predisposição para manifestação e alguns fatores como consumo de álcool, cigarros, infecções, traumas cutâneos, distúrbios endócrinos, fatores emocionais e até alguns medicamentos podem ser gatilho para aparecimento das lesões. "Em casos leves, recomendamos o tratamento tópico com hidratantes ou pomadas e o uso de alguns medicamentos como corticoides específicos. Nos mais moderados e graves, é possível fazer o tratamento com a fototerapia, uma radiação ultravioleta feita na pele e o uso de medicamentos como imunossupressoras de ação sistêmica", diz o dermatologista.

É preciso, além do tratamento, evitar o preconceito. "Nesta data o mais importante é frisarmos que ela (a doença) não é contagiante e pode ser tratada", alerta.


 


Notícias relevantes: