Jundiaí

Jundiaí investe em rastreamento e bloqueio contra segunda onda

Com os índices de contágio sob controle, agora os órgãos de saúde municipais apostam no rastreio para evitar novos casos da doença


DIVULGAÇÃO
A central de monitoramento é capaz de realizar 500 ligações diárias
Crédito: DIVULGAÇÃO

Após meses de combate ao coronavírus, Jundiaí vive o controle dos índices de contágio. Segundo dados disponibilizados pela Vigilância Epidemiológica através da Unidade de Gestão de Promoção de Saúde (UGPS), em meados de julho, a cidade chegou a computar uma média móvel superior a 900 casos semanais. Em contrapartida, nos últimos sete dias, 70 casos foram confirmados. (veja atualização abaixo)

Diante dos bons números, agora o grande desafio é unir esforços para que uma possível segunda onda da doença seja evitada. O coordenador técnico do Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus (CEC) e gestor da UGPS, Tiago Texera, explica que a estratégia do município terá como base cinco pilares. "Estamos trabalhando com ênfase no rastreamento, seguido da identificação, testagem, isolamento e monitoramento. Neste processo, ao apresentar os sintomas, os casos considerados suspeitos e seus contactantes, dependendo do resultado apontado pelos testes RT-PCR, serão isolados e monitorados por uma equipe médica", explica.

Para que isso fosse possível, a UGPS estruturou uma central de monitoramento no Complexo Argos. "A central conta com profissionais de saúde que ligam ativamente para esses pacientes diariamente ou, em alguns casos, em dias intercalados. O intuito desse procedimento é identificar a evolução da doença e, caso haja necessidade, tomar as medidas necessárias para que o quadro do paciente não evolua", pontua.

A equipe é capaz de realizar até 500 ligações diárias, mas atualmente possui 372 pacientes monitorados. Outro diferencial a partir da Central será a adição de novas informações ao banco de dados de acompanhamento. A intenção é garantir o máximo de parâmetros a respeito do caso, inclusive em relação aos comunicantes para identificar se desenvolveram algum sintoma característico.

Mesmo com todo esse preparo para impedir a multiplicação do número de casos, Texera faz questão de ressaltar que a população possui influência direta nos resultados alcançados. Mesmo com todo esse preparo para impedir a multiplicação do número de casos, Texera faz questão de ressaltar que a população possui influência direta nos resultados alcançados. "Os munícipes possuem participação ativa no combate, afinal, de nada adianta engajarmos nossos esforços se relaxarmos nos regramentos sanitário."

INTERNAÇÃO

Na rede pública, as taxas de internação seguem em declínio. Atualmente, os leitos de UTI apresentam 17% de ocupação e, os de enfermaria, 52%. Em relação aos ventiladores mecânicos, apenas 3% estão sob uso. Além disso, o Hospital de Campanha estruturado no 12º GAC está preparado caso haja necessidade de reforço, mas não possui nenhum paciente internado.

PA'S

A partir de 1 de novembro, as portas exclusivas criadas nos Prontos-Atendimentos (PAs) do Retiro e Ponte São João (montado no prédio da UBS Rui Barbosa) serão desmobilizadas, voltando ao atendimento de urgências e emergências em demanda geral.

As pessoas com sintomas sugestivos do novo coronavírus continuam sendo atendidas no PA Central, UPA Vetor Oeste e no PA Exclusivo da Vila Hortolândia (prédio do Centro de Convivência do Idoso), além das Unidades Sentinelas do Anhangabaú e Jardim do Lago.

 


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: