Jundiaí

Inventar brincadeiras criativas é o desafio dos pais nessas férias

EDUCAÇÃO Psicopedagoga sugere que pais adaptem as ideias das crianças para criar atividades; buscar brincadeiras no YouTube também é uma boa opção


Divulação
Maria e Diego brincando de lama sempre na sacada do apartamento
Crédito: Divulação

Enquanto as aulas presenciais não começam, os pais se redobram para distrair a criançada em casa. Brincadeiras que ajudam a incentivar a criatividade e deixá-los ativos fazem toda a diferença. Assim tem feito a empresária e mãe de três filhos Ana Maria Tonelli de Souza, de 35 anos, que já está sem ideias para distrair a criançada.

Confinados há quase um ano, as férias escolares acabaram virando uma prolongação do isolamento social, porém sem o apoio da escola. Neste caso os pais estão tendo que se dividir em dois para manter a diversão. "No domingo mesmo foi dia de guache aqui e às vezes eu até deixo fazer lama na sacada", conta, rindo.

Morar em um apartamento onde não tem área de lazer também é um dos desafios. "Antes saíamos muito para os parques, mas agora precisamos criar outras soluções. É desafiador", diz a mãe dos gêmeos Diego e Maria (3 anos) e Lavínea (10 anos).

OUVINDO A CRIANÇADA

Uma dica da psicopedagoga Laura Frussa Biagi, do Colégio Divino Salvador, ouvir mais as crianças é sempre importante antes de iniciar as brincadeiras. "Elas sabem do que gostam de brincar e têm muito mais criatividade que os adultos. Escutá-las é importante", reforça.

Laura sugere utilizar de forma ativa os vídeos do YouTube. "Tire um tempo para colocar em prática as brincadeiras do canal. Vai ser super legal".

Teatros, imitações, apresentações musicais, brincadeiras com massinha e material reciclável também são boas opções, além de incluir a criançada no dia a dia. "Coloque um varal mais baixinho e deixe as crianças ajudarem a estender roupas. Podem estender as meias, por exemplo. Incluí-las nas rotinas diárias é muito bom e também deixe claro quando pode brincar e quando precisa trabalhar."

As brincadeiras têm que seguir o gosto da criançada. A pequena Luise, de 4 anos, é apaixonada por dança e isto facilitou a escolha da mãe Yvi Garrit, 32 anos, na hora de mantê-la ocupada. As aulas de balé on-line são acompanhadas uma vez por semana, além da dança livre no YouTube. "É difícil, porque costumávamos levar a Luise no Parque da Cidade nos finais da semana, e agora raramente saímos de casa. A solução para ocupá-la tem sido colocar músicas e vídeos, como o Fit Dance Kids para dançar", conta.

Como é estilista de boneca, de vez em quando Yvi abandona o home office para dançar também e, quando falta inspiração, recorre ao grupo de mães no Facebook. "Comprei telas de pintura e tinta, massinha, muitos quebra-cabeças e outros jogos."

A coordenadora de Marketing Juliana Pereira, 32 anos, apostou em atividades coletivas para suas filhas Pietra, de 6 anos, e Eliza, de 3 anos. Teve oficina de pintura em casa, oficina de culinária, dia do chocolate, do cookie e muitas outras brincadeiras. "De manhã elas acordam um pouco mais tarde que a rotina e à tarde é tempo livre para brincadeiras, mas evitando ao máximo a TV, celular e tablet", explicou.

Um dos desafios do ano passado foi completar a alfabetização de Pietra em casa, mas Juliana reconhece que, apesar disso, passar mais tempo com a família tem sido especial.


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: