Jundiaí

Com falta de carros novos, busca pelos semi dispara

VEÍCULOS Com a falta de matéria-prima na indústria, os novos estão em falta e os seminovos em alta


DANIEL POLLI
Bruno Paolone diz que há aumento na procura por veículos seminovos
Crédito: DANIEL POLLI

Uma pesquisa do portal Webmotors em parceria com a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) aponta que 96% dos 2.103 visitantes entrevistados do portal têm a intenção de adquirir um veículo em 2021, seja novo ou usado. O mesmo levantamento foi feito no fim de 2019 e na época, 88% dos ouvidos disseram que fechariam negócio em 2020.

Na retomada, o interesse pelos carros usados tem sido maior. Parte dessa procura alta também de se deve aos valores de carros zero km, que subiram esporadicamente nos últimos meses. Um estudo promovido pela Kelley Blue Book (KBB), empresa de avaliação de veículos e pesquisa automotiva, constatou que usados e seminovos com até três anos de uso também estão valorizados.

Procura comprovada por quem está na linha de frente das vendas. O consultor de vendas de seminovos da Chroma Veículos, Bruno Paolone, diz que há poucos carros no mercado neste momento. "O que tem de carro, estamos vendendo bastante. Creio que esta falta seja porque não temos veículos novos. As montadoras estão paradas, então há grande procura pelos seminovos mesmo. Esta procura se dá pela quilometragem, procedência e garantia dada pela montadora", comenta.

Mesmo com a alta procura dos semi, a venda geral segue balanceada, como explica o vendedor da Tchoy Motors, Marcel Maia. "A procura por seminovos aumentou porque não temos carros zero quilômetro no momento. Falta ferro na indústria para fabricar os chassis. Temos pedidos com entrega em março, mas algumas pessoas não podem esperar e acabam comprando o veículo seminovo. A venda geral não aumentou, se a gente vendia 50 veículos antes, ainda é 50 agora, mas não tem mais zero quilômetro, então é mais seminovo", diz ele.

Marcel fala os veículos mais novos são os mais procurados. "A baixa quilometragem é o principal argumento para quem compra. Tem gente que nem se importa com o modelo e sim com a quilometragem."

OFERTA E PROCURA

Se a procura tem sido grande, os preços tendem a aumentar. Maia explica que os carros seminovos estão mais caros. "Acredito que pelo preço do zero quilômetro e pela falta no mercado, com escassez de seminovos, quem tem um carro em bom estado cobra mais caro na venda."

Paolone diz que as variações são altas nos últimos quatro meses. "De quatro meses para cá, tem veículo com diferença de R$ 4 mil na tabela Fipe, que ficaram bem mais caro, mas a diferença para o novo é grande. Um caro 2020 zero quilômetro é de R$ 7 mil a R$ 10 mil mais caro que um 2020 usado", explica ele sobre as variações de preço que chegam ao consumidor.

MERCADO PROMISSOR

Segundo a Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores (Fenauto), o mercado de usados teve em dezembro de 2020 índices melhores do que na pré-pandemia, com 1.597.052 de veículos comercializados, o resultado foi 23,6% maior do que o registrado no mesmo mês em 2019 e 13,1% maior que no mês anterior, novembro.

Em contrapartida, dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) apontam que as vendas de veículos novos tiveram uma retração de 21,6% em 2020 na comparação com 2019.

De acordo com a pesquisa do Webmotors, 81% dos entrevistados que pretendem trocar de carro estão interessados em modelos de segundo mão.


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: