Jundiaí

Professores e alunos avaliam questões da prova do Enem

Prova trouxe questões que abordaram temas atuais e tratou assuntos importantes


Arquivo Pessoal
Michele Carrara de Rezende
Crédito: Arquivo Pessoal

A prova do Enem, realizada no último domingo (17), trouxe questões que abordaram temas atuais e tratou assuntos importantes como o estigma associado às doenças mentais. Em contrapartida, o exame teve uma das maiores abstenções da história, em que 51,5% dos inscritos não compareceram à prova.

De acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), do total de 5.523.029 inscritos para a versão impressa do Enem, 2.842.332 não compareceram ao Enem.

Ana Carolina Agnolini Wiggert, professora de redação e língua portuguesa, acredita que temas sobre saúde mental precisam ser mais discutidos e que a prova do Enem gerará mais debates, principalmente em sala de aula. "Gostei bastante do tema. Pela primeira vez, o tema da redação tratou de um assunto da área de saúde. Não havia menção direta à pandemia, mas os alunos poderiam estabelecer relação com ela."

Para Gabrielle Oliveira da Silva, estudante de 17 anos, apesar da falta de organização, a prova foi democrática. "O Enem este ano está sendo bem polêmico em questão da organização, que em minha opinião, está realmente bem confuso e incerto, mas em relação à prova eu acredito que tenha sido a melhor abordagem que eles poderiam ter feito. Grande parte das questões não era necessário ter conhecimentos prévios, pois a prova estava mais focada na interpretação dos textos do que o normal, em comparação ao ano passado pelo menos."

Segundo o professor de filosofia, Diego Ramirez Luciano, que leciona tanto na rede pública quanto particular de ensino, os textos auxiliares ajudaram bastante. "Achei uma boa prova de Ciências Humanas, seguiu o padrão adotado há algum tempo, com questões fáceis, médias e difíceis. A prova conseguiu perpassar assuntos clássicos, como surgimento da democracia e epistemologia, com temas atuais, como os direitos humanos."

Sobre a expectativa para a próxima prova, que acontecerá presencialmente no dia 24 de janeiro e terá questões objetivas de matemática e ciências da natureza (química, física e biologia), a professora Michele Carrara de Rezende afirma que deve ser mais fácil.

"Acredito que a prova de matemática do Enem deste ano será um nível mais fácil do que a do ano passado. Por conta da pandemia, muitos alunos ficaram sem finalizar o ensino de maneira eficaz. Uma dica é focar nos assuntos mais básicos, como operações básicas, transformação de unidades, leitura de gráficos e tabelas, estatística (média, moda e mediana), escala, razão e proporção e probleminhas envolvendo geometria plana."

(Daniela Fernandes)

 


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: