Jundiaí

Taxa Selic baixa torna mercado imobiliário mais atrativo em 2021

JUROS A taxa reduziu drasticamente a rentabilidade de aplicações em renda fixa, com isso, imóveis voltaram a ser uma alternativa de investimento


Arquivo Pessoal
Paulo Morise
Crédito: Arquivo Pessoal

O Comitê de Política Monetária (Copom), decidiu pela quarta reunião consecutiva manter a Selic, taxa básica de juros, aos 2% ao ano. A resolução, publicada na última quarta-feira (20), foi unânime entre os diretores do Banco Central. A Selic está em 2% desde agosto de 2020, considerado o nível mais baixo da história.

A taxa neste patamar reduziu drasticamente a rentabilidade de aplicações em renda fixa. Com isso, imóveis voltaram a ser uma alternativa de investimento. O negócio é vantajoso para aqueles que querem conservar o patrimônio. Porém, não estão dispostos arriscar na Bolsa ou em fundos de renda variável.

O cenário mudou e a tendência agora é de crescimento do segmento. Em momentos de crise, quando outros ativos mostram volatilidade, o preço dos imóveis é pouco afetado. Além disso, os juros baixos incentivam aqueles que querem financiar a moradia, o que também favorece a retomada do mercado imobiliário.

Para Thiago Priosti Coelho, diretor de uma imobiliária de Jundiaí, a taxa Selic baixa torna o mercado imobiliário mais atrativo. "Com a taxa Selic baixa, o dinheiro aplicado em bancos e corretoras rende menos e consequentemente torna o mercado imobiliário mais interessante. É mais vantajoso investir em imóvel para alugar do que deixar dinheiro aplicado em renda fixa. O cliente coloca na ponta do lápis e vê que é mais lucrativo. O imóvel sempre vai valorizar."

A escolha do percentual da taxa Selic faz parte da política monetária. Os juros mais baixos estimulam a economia e o acesso ao crédito. A taxa também é utilizada para delimitar a inflação.

Para Eli Gonçalves, vice-presidente de Marketing e Inteligência de Mercado da Proempi, a manuntenção da taxa Selic em 2% ao ano colabora de duas formas para o setor imobiliário. "Mantém diversas formas de investimentos financeiros com baixo retorno, deixando em destaque a rentabilidade dos imóveis para geração de renda com aluguel. E mantendo as taxas baixas nos investimentos financeiros que os bancos pagam aos clientes, em decorrência, eles também podem emprestar dinheiro a juros mais baixos, daí, temos a oportunidade das menores taxas de juros para empréstimo imobiliário da história recente do país."

Segundo o empresário Paulo Morise, investir no mercado imobiliário é mais rentável que os investimentos de renda fixa e mais seguro que aplicar na bolsa de valores. "Eu sou um investidor pesado da bolsa, sofri muito no ano passado com a queda da bolsa desde o início da pandemia, ela tem uma rentabilidade maior, mas é mais arriscada também. No caso dos imóveis, é um mercado muito mais estável. Você tem um bem físico, que está ali, você pode morar, pode alugar, revender e ele vai continuar ali, independente do momento econômico, ele permanece. E na questão de rentabilidade, ele está muito mais interessante do que qualquer renda fixa. Além dele ter um valor que você não vai perder por nenhuma crise."

 


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: