Jundiaí

Alta qualificada reduz reinternação hospitalar em 26%

O programa mantido pela UGPS dá continuidade aos cuidados a pacientes


DIVULGAÇÃO
Marta Coracini e o pai José Domingos estão recebendo atendimento
Crédito: DIVULGAÇÃO

O programa Alta Qualificada, mantida pela Unidade de Gestão de Promoção de Saúde (UGPS), ajudou a reduzir os números de reinternações em 2020 ao assegurar a continuidade de cuidados ao paciente que tiveram alta hospitalar. Em termos comparativos, no ano de 2019 foram realizadas 4.596 reinternações durante os 12 meses, contra 3.367 no ano de 2020. O número é 26% menor em termos gerais.

Somente no mês de novembro, a queda foi de 46% na comparação com o mesmo período do ano anterior, passando de 392 para 208 necessidades de novas internações. O programa une a instituição hospitalar e as Unidades Básicas de Saúde, Clínica da Família e o Departamento de Atenção Básica à Saúde da Prefeitura de Jundiaí.

Para quem precisou do serviço, o trabalho ajudou na recuperação rápida. "Meu pai ficou internado por dois dias no Hospital São Vicente (HSV), em decorrência de um AVC, há 15 dias. Com o Programa Alta Qualificada ele está sendo acompanhado e tendo os exames e consultas de forma mais rápida que se fosse em um convênio particular. Falo isso porque tenho saúde suplementar e não recebo a mesma atenção e agilidade que ele está tendo. É uma maravilha", comemora a filha de João Domingos Coracini, 69 anos, Marta Tânia Coracini, morador no Ivoturucaia há 35 anos.

O aposentado é apenas um dos mais de 2 mil usuários de Jundiaí que desde o ano passado tiveram o acompanhamento pós-internação realizado pelas equipes da Atenção Básica.

DIA A DIA

Segundo o gerente da UBS Ivoturucaia, José Eduardo Tonelli, o modelo de cuidado da Alta Qualificada permite conhecer melhor a realidade do território e prestar cuidado integral e proporcionar ao paciente, no momento oportuno, acesso a todos os serviços que necessita no pós-alta. "Assim que recebemos o e-mail do hospital, entramos em contato com o paciente ou seu responsável para sabermos o motivo da internação, se ele precisa de algum serviço da UBS ou mesmo de alguma orientação", relata.

Todos os procedimentos realizados durante a internação, inclusive as medicações utilizadas, também são recebidas pela equipe. "Todas as informações passam a fazer parte do prontuário do paciente e são muito importantes para a continuidade do tratamento", detalha.

Ao todo, entre os meses de agosto de 2020 até a primeira quinzena de janeiro de 2021, 2.008 pacientes passaram pelo monitoramento. O programa foi iniciado com foco apenas nos casos derivados da covid-19.

No entanto, um mês após o início do trabalho em setembro, as demais ocorrências foram inseridas no fluxo de atendimento.

(Da Redação)

 


Notícias relevantes: