Jundiaí

Ovos de Páscoa caseiros são boa opção e já estão sendo procurados

Faltam menos de dois meses para a Páscoa, mas a corrida para comprar ovos e bombons de chocolate já começou


ARQUIVO PESSOAL
Raysa Nogueira da Silva faz ovos de Páscoa e outros doces há nove anos
Crédito: ARQUIVO PESSOAL

Faltam menos de dois meses para a Páscoa, mas a corrida para comprar ovos, bombons e quitutes de chocolate já começou. E uma boa forma de garantir essas delícias e até economizar são os vendedores autônomos e seus produtos caseiros.

A autônoma Raysa Nogueira da Silva, de 34 anos, faz ovos de chocolate há nove anos e aposta em diferentes formatos e sabores. "Faço desde os ovos de 100 gramas até os de 1 quilo, com opção de 17 sabores, do simples, trufados ou de colher. E que podem mudar conforme o gosto do cliente", comenta.

Raysa começou a trabalhar com chocolate há 12 anos, vendendo trufas para pagar a faculdade e não parou mais. Foi se aperfeiçoando com o tempo, fazendo diversos cursos virtuais e presenciais.

Ano passado, com o início da pandemia, Raysa pensou que teria dificuldades em vender os ovos, mas as vendas acabaram sendo muito boas, conseguindo guardar um dinheiro. "Esse ano com certeza será melhor e meus clientes já estão perguntando sobre os ovos", afirma.

Para conseguir mais clientes, Raysa diz que é preciso sempre estar atualizado e buscar novas melhorias para poder agradar a todos. "Hoje tenho o ovo de colher vegano pois é algo que está sendo bem procurado pelas pessoas que buscam uma vida mais saudável", conta.

A psicopedagoga Geisse Scarpellini Dias produz ovos de Páscoa em sua casa há 20 anos e começou fazendo para o consumo da família. "Sabemos que o chocolate é um item de valor alto, ainda mais se tratando de ovos de Páscoa. E justamente nessa época sobem de valor. Então me apaixonei por essa arte e fiz dela uma renda extra", comenta.

Geisse faz ovos trufados e ovos personalizados, utilizando bombons de marcas famosas. Os formatos são variados, desde ovos tradicionais, de colher, desconstruídos ou ovos de pote. E mesmo com a pandemia, ela não sente dificuldades pois trabalha com encomenda, então geralmente os clientes apenas retiram o produto, facilitando as vendas.

Para atrair mais clientes, Geisse diz que trabalhar com produtos de qualidade e com preços justos faz toda diferença, pois atinge uma clientela diversa que irá encontrar um valor que se ajusta ao seu bolso e sem perder a qualidade.

DIFERENCIADOS

Apesar dos mercados também venderem ovos, muitas pessoas preferem as opções caseiras. Dentre os motivos, Raysa acredita em produtos mais recheados e saborosos. "Utilizo produtos naturais, por exemplo, o limão e maracujá. Esse é meu diferencial", afirma.

Já para Geisse, as pessoas acabam escolhendo comprar os ovos caseiros por ser um produto personalizado, feito para uma pessoa específica, que escolhe o sabor, a gramatura e o formato que deseja.

"Além de o preço ser muito inferior ao dos mercados, cada um é feito individualmente, com amor, com minha energia, resultando em uma explosão de sabor. Cada cliente é especial, não é como em uma linha de produção, é uma cozinha afetiva", comenta.

(Lucas Hideo)

SIGA NAS REDES

Rayssa: @brigadeiro_mamae_ray

Geisse: www.facebook.com/
geissescarpellini.laurindo

 


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: