Jundiaí

Hapkidô ajuda na defesa pessoal, mas auxilia corpo e mente


DIVULGAÇÃO
Willians Tavares treina desde os 11 anos por ser uma luta completa
Crédito: DIVULGAÇÃO

As mais conhecidas artes marciais são o judô e o caratê, ambas de origem japonesa, mas há uma luta coreana que não é tão popular, porém tem sido procurada por quem deseja alinhar corpo e mente.

O hapkidô é um estilo utilizado em exércitos pelo mundo e que busca alinhar corpo e mente, além de ser conhecida por priorizar a defesa pessoal.

Caracterizada por ter um longo repertório de golpes, com movimentos graciosos e efetivos, o nome da prática tem um significado interessante. "Hap" significa harmonizar, podendo ser também união, "ki" quer dizer energia vital ou força do interior e "do" refere-se a caminho. Com isso, hapkidô tem como significado "caminho da união da força interior".

Quem pratica acredita ser um exercício completo. Aos 24 anos, o cabo do Exército Willians Tavares Junior pratica hapkidô desde 2008 e ficou fascinado quando foi assistir a aula de um amigo, que era faixa amarela. "Depois que acompanhei a aula, já quis me inscrever na hora e comecei a praticar em seguida", diz.

O cabo considera a luta bem completa, além de ajudar a ter auto-controle e disciplina. "No hapkidô tem hierarquia e disciplina, assim como no Exército e os treinamentos físicos também são similares, então para mim foi mais fácil", diz.

Junior não deixou de falar que tem uma grande admiração por Bruce Lee, uma de suas inspirações na arte marcial. "Bruce lee fez hapkidô, inclusive no último filme dele, 'O Jogo da Morte', ele luta com o mestre Ji Han Jae, o fundador do estilo 'sin moo hapkidô'."

FUTURO MESTRE

Para o engenheiro Vinícius Arcos, de 28 anos, praticante há 11 anos, desenvolveu o gosto pelos golpes vendo os movimentos nas aulas de luta. "Sempre gostei muito de artes marciais. Após conhecer e fazer a aula de teste, fui introduzido em um mundo extremamente extenso de possibilidades. Chutes, socos, técnicas de derrubada e projeções, técnicas de combate no solo, rolamentos, mais de 1,2 mil golpes de defesa pessoal e uma grande variedade de técnicas com armas, no momento que me dei conta o quão extenso e complexo a arte é pude tomar minha decisão", explicou Arcos.

Ele conta também que há um lema entre os lutadores da modalidade, que é 'Amar a pátria, respeitar os pais, confraternização mútua e não recuar um só passo na luta', ligado diretamente à sua filosofia. "Nós não lutamos para vencer e sim para não sermos vencidos. Essa frase simples nos faz refletir que a arte marcial é aplicada em nosso dia a dia."

O hapkidô não é apenas uma prática corporal que serve para aprender golpes e reforçar os músculos. Segundo Arcos, ajuda a alinhar a mente do lutador, buscando o aperfeiçoamento geral. "A prática faz um trabalho especial para a mente ser treinada junto ao corpo, tal treino faz com que o aluno veja a vida de outra forma criando foco, dedicação, disciplina e gana para lutar por tudo aquilo que ama", conclui.

Mesmo tendo berço na Coreia (antes da divisão entre Norte e Sul), o estilo de luta chegou ao Brasil nos anos 1970. Inclusive, o Exército Brasileiro começou a utilizar a arte marcial em Osasco, fazendo parte dos treinamentos militares por dois motivos, pela efetividade e e caráter filosófico voltado para o combate.

(André Borges)


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: