Jundiaí

Na Páscoa, artesanato temático se torna uma boa fonte de renda

OPORTUNIDADES Mesmo com chocolates e guloseimas, famosos neste feriado, artesãs conseguem se manter com seus produtos caseiros e personalizados


Divulgação
Sandra Regina
Crédito: Divulgação

Nesta Páscoa, além de chocolates e guloseimas, as pessoas podem adquirir outras opções para presentear e decorar seus lares. E assim, artesanatos caseiros se apresentam para rechear o feriado e as festividades e também se tornam uma boa fonte de renda para os profissionais.

A designer de interiores Marinete Aparecida Simões monta decorações de Páscoa há mais de 20 anos. Ela conta que o gosto de fazer artesanato foi devido a sua criação. "Eu morava com uma família alemã que tinha o costume de decorar as datas comemorativas, principalmente o Natal e a Páscoa. Quando eu comecei com os ovos de chocolate notei que a decoração dos ambientes e dos próprios ovos nesse estilo tradicional alemão aumentava bastante as vendas", comenta.

Marinete, junto com sua filha, começou em janeiro o processo de produção para a data. Realizou pesquisas de tendências, de cores e de texturas de materiais. Começou a costurar os coelhos e as cenouras de pano no final de janeiro e no começo de fevereiro começou a produção das guirlandas e dos cenários de Páscoa.

A empresária Sandra Regina Vassoler Zanetta faz decorações há 15 anos e conta sobre o prazer de trabalhar no ramo e trazer para o conhecimento do público, o trabalho de diversas artesãs de Jundiaí, por meio de sua loja.

"O processo de produção das decorações se dá através das tendências do mercado na época, como a escolha de cores, tecidos, ambientações (rústico ou clássico) e atendendo as necessidades e gosto de cada cliente", conta.

PANDEMIA

Mesmo com a pandemia, Marinete diz ter uma perspectiva boa em relação às vendas. "O público está em casa, então o interesse pelas decorações de Páscoa aumentou e a procura desse ano começou mais cedo, já realizamos um grande número de vendas de coelhos e decorações", afirma.

A designer também conta que no ano passado a pandemia foi prejudicial às vendas da Páscoa, pois a primeira vez que fecharam para quarentena foi no mesmo tempo em que as decorações são montadas. "O público ficou assustado, amedrontado e as vendas de páscoa foram praticamente nulas", diz.

Para Sandra, o início da pandemia foi prejudicial, tendo que fechar sua loja e começar a trabalhar com venda virtual e delivery. "Como todos do comércio, sentimos a queda nas vendas. E hoje estamos trabalhando dentro do horário autorizado, com produtos de preços mais acessíveis", conta.

Ela também diz que a partir do Natal, suas vendas começaram a melhorar e preza para continuar positivamente. "Apesar das incertezas, esperamos que no mês de março a procura por produtos da Páscoa comece a se intensificar", afirma.


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: