Jundiaí

13º adiantado beneficia 23% dos jundiaienses

APOSENTADORIA O pagamento, antes do habitual a beneficiários, deve movimentar a economia


     ALEXANDRE MARTINS
Maria Salete Rossi Genesini afirma que é a favor do adiantamento
Crédito: ALEXANDRE MARTINS

O adiantamento do 13º salário a aposentados e pensionistas deve beneficiar diretamente cerca de 23% da população de Jundiaí, o que significa 90 mil pessoas, além de impulsionar a economia local.

Um dos motivos, inclusive para que haja este adiantamento, é a movimentação da economia. Neste ano, assim como ocorreu no ano passado, o 13º salário de aposentados e pensionistas deve ser adiantado e a previsão de pagamento ainda no primeiro semestre deste ano.

Para os beneficiários, o adiantamento pode ser positivo neste momento, pois muitos que receberam o 13º antes da hora em 2020 acabaram tendo algum aperto no final do ano passado que perdura até agora, como explica a presidente da Associação dos Aposentados e Pensionistas de Jundiaí e Região (AAPJR), Fé Juncal.

"A diferença de 2020 é que neste ano é necessário. Com o adiantamento no início da pandemia, não teve o pagamento no final do ano e não teve o 14º salário dos aposentados, então muitos precisaram da consignação, muitos recorreram a isso e adquiriram dívidas", explica Fé.

A presidente da AAPJR afirma que o dinheiro agora pode ajudar os aposentados e a própria economia, então será importante, mas não é a única medida necessária agora. "O Congresso precisa criar políticas públicas de socorro neste período de pandemia para os aposentados. Neste semestre a economia está ruim, mas no próximo deve melhorar com a vacinação. Precisa de políticas como o 14º salário emergencial. A fome está chegando na casa do aposentado."

AJUDA

A aposentada Maria Salete Rossi Genesini é a favor do adiantamento da aposentadoria. "Me ajudou no ano passado e no final do ano não fez falta. Dinheiro sempre faz falta, mas me planejei para não precisar de empréstimo. Eu espero que adiante porque, quando era no final do ano, os lojistas exploravam mais. Se recebe durante o ano, vai se programando", fala ela sobre os gastos de final de ano que já são esperados pelos lojistas.

Também aposentado, Lino Lopes conta de forma bem-humorada que também prefere receber antes o 13º. "Se a pessoa morrer antes do final do ano, pelo menos já gastou. Ajuda a gente e ajuda o comércio também. Aperta no final do ano, mas no meu caso eu me planejei."

DISTRIBUIÇÃO

Para o economista Mariland Righi, o o dinheiro injetado gera impacto econômico em Jundiaí, pois a população mais velha representa expressiva parcela, mas não tanto quanto em outras cidades que não têm uma produção como a nossa. "Cerca de 23% da população de Jundiaí é beneficiária da previdência, isso representa mais de 90 mil pessoas. É relevante, mas Jundiaí produz quase R$ 50 bilhões ao ano, 40% disso é de salário, cerca de R$ 1,5 bilhão por mês. É relevante, tem muitos aposentados na cidade, mas a economia é grande."

Para ele, a promessa de que o pagamento ocorra em março é difícil de ser cumprida neste momento. "Acho difícil sair em março porque o governo precisa de garantia com a aprovação do orçamento, senão pode gastar esse dinheiro agora a faltar mais tarde. Sem a provação do orçamento, a legislação garante que o governo pode gastar 1/12 avos por mês do que foi gasto no ano anterior."

Para a economia pessoal, Mariland alerta sobre o cuidado com as despesas. "Não é bom gastar demais, é bom pagar as contas, mas também ser prudente. Pagar o 13º neste momento coincide com despesas como IPVA e IPTU", explica.


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: