Jundiaí

Profissionais especializados comemoram aumento de demanda

SERVIÇOS DOMÉSTICOS A procura por especialistas cresceu nesta pandemia e impulsionou a renda dos trabalhadores autônomos


arquivo pessoal
Roberto Manoel afirma que os lucros estão melhores que antes
Crédito: arquivo pessoal

Durante a pandemia, a procura por serviços domésticos aumentou consideravelmente alavancando o setor e impulsionando a renda dos trabalhadores autônomos que viram uma oportunidade de aumentar a clientela.

Segundo uma pesquisa realizada pelo aplicativo GetNinjas, que conecta clientes a trabalhadores freelancers, os serviços mais procurados no período da quarentena foram os montadores de móveis, eletricistas, técnicos de geladeiras, técnicos de aparelhos de televisão e entre outros, que em sua maioria são de serviços domésticos.

O autônomo Roberto Manoel dos Santos, de 38 anos, trabalha como montador de móveis há 10 anos e sentiu esse aumento de demanda. "No início da pandemia houve muito alvoroço e um forte sentimento de incertezas, prejudicando um pouco os trabalhos, mas após um mês, começou a entrar muito serviço que não era normal e a quantidade de serviço foi bem maior que antes da pandemia", comenta.

Segundo Santos, a internet acabou se tornado o ponto mais forte para alavancar os negócios porque as pessoas começaram a comprar mais pelos sites e para ele, como montador, foi uma oportunidade de 'vender' seu negócio. "Enxerguei uma boa oportunidade, um novo nicho de mercado", diz.

O autônomo trabalhava para empresas, mas percebeu um novo modelo de negócios para os montadores de móveis e resolveu explorar este campo sozinho. "As lojas de móveis marcavam datas para a montagem e isso se tornava um incômodo para os clientes. Comecei a investir em ferramentas de primeira linha e tudo que havia de novidade para essa área e com o tempo fui ganhando experiência e hoje estou bem consolidado", comenta ele ao lembrar que chega a fazer quatro atendimentos por dia e seu valor varia para cada serviço.

REFRIGERAÇÃO

Alex Maycon da Rocha Liberato, de 34 anos, é dono e técnico de uma empresa de refrigeração e também sentiu um aumento de clientes nesta pandemia. "Por conta de toda a situação que vivemos no último ano, houve um aumento do meu serviço devido às pessoas passarem mais tempo em casa e acabaram dando mais atenção às máquinas, geladeiras e eletrodomésticos em geral", comenta.

Atualmente, a procura por seus serviços não está tão alta quanto do início da pandemia, mas continua tendo uma boa demanda. "Faço em torno de 40 a 45 atendimentos por semana e os preços variam de acordo com a situação das máquinas", afirma Alex.

O autônomo Abelson Hélio Franco, de 45 anos, trabalha como técnico de geladeiras desde seus 18 anos e afirma que com a chegada da pandemia seus negócios deram uma diminuída mas logo em seguida, voltaram a estabilizar e melhorar. "A procura por meus serviços estão aumentando atualmente, pois devido ao aumento de desemprego e as situações financeiras que muitos estão passando, as pessoas acabam preferindo reparar e consertar seus eletrodomésticos ao invés de comprar novos", comenta.

Ele faz cerca de 45 atendimentos por semana e os valores variam para cada máquina.


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: