Jundiaí

Atendimento via teleconsulta nas UBSs cresce em Jundiaí

Desde o ano passado, já foram realizados 2,6 mil atendimentos por esse sistema, que está sendo ampliado


Divulgação
Teleconsulta é aprovada pelos profissionais e pacientes
Crédito: Divulgação

Com a chegada da pandemia, há um ano, o atendimento médico, assim como em diversos outros setores, precisou inovar. A Prefeitura de Jundiaí, por meio da Unidade de Gestão de Promoção da Saúde (UGPS), incluiu no cardápio de serviços para a população, a teleconsulta. Desde o ano passado, já foram realizados 2,6 mil atendimentos por esse sistema e que está sendo ampliado na cidade para facilitar o acesso e reduzir a exposição das pessoas em relação à covid-19.

“Jundiaí segue no caminho da inovação, do uso da tecnologia para alcançar cada vez mais pessoas e levar os serviços com maior qualidade e eficiência para o cidadão. Este é o objetivo de uma cidade inteligente, uma Smart City. A Saúde de Jundiaí já conta com vários programas que seguem neste sentido, como o Posso Ajudar e o Guardião da Saúde, diferenciais que alavancaram a premiação da Clínica da Família Novo Horizonte, em 2019. A teleconsulta vem para somar”, destaca o prefeito Luiz Fernando Machado

O atendimento é realizado 100% virtual, seja por vídeo como também por ligação telefônica. “A ideia é oferecer uma medicina preventiva para os pacientes ao mesmo tempo que precisamos diminuir o fluxo de pessoas nas ruas e nas Unidades Básicas de Saúde. Conseguimos promover o atendimento inclusive com os profissionais que estão em teletrabalho por estarem dentro de algum grupo de risco”, comenta a diretora da Atenção Básica, Andreia Pinto de Souza.

Atualmente, cinco UBSs já contam com a telemedicina em sua rotina de forma sistematizada, mas nas outras unidades a oferta do serviço também acontece, seja conforme alguma necessidade ou de forma mais pontual. O objetivo é ampliar a oferta desse serviço. “Já realizamos em torno de 2.600 atendimentos, em 15 unidades. Para aumentar essa oferta, estamos promovendo a aquisição de equipamentos que otimizem o contato com o paciente”, explica Andreia.

A médica ginecologista, Juliana Alarcon Guilherme, é uma das profissionais da rede que já faz o uso da telemedicina. Ela comenta que o recurso agrega muito no cotidiano dos médicos. “É claro que para o exame clínico é necessária a presença do paciente, mas conseguimos resolver muitas situações pela telemedicina. Por exemplo, para dar o retorno de exames não há a necessidade da presença física do paciente. Além disso, também adiantamos as receitas e os pedidos de exames”, explica.

Juliana ainda comenta que a aceitação pelos pacientes tem sido positiva. Maria Angélica Carrera da Silva é paciente da Dra. Juliana há alguns anos e com a chegada da pandemia não conseguiu fazer a consulta de rotina em 2020. “Eu precisava fazer meu atendimento anual com a médica e a equipe da UBS Retiro me ofereceu a teleconsulta. Eu gostei muito dessa opção porque não precisei sair da minha casa. A consulta começou pontualmente no horário agendado e a Dra. Juliana me atendeu como se estivesse na minha frente. Inclusive eu já consegui agendar os exames solicitados por ela”, contou Maria Angélica.

“Após o resultado dos exames, a paciente retorna e aproveitamos para colher exames que precisam ser presencialmente como papanicolau ou o acompanhamento do pré-natal em casos de gestante”, acrescenta a ginecologista.

A médica ainda comenta que a aceitação também está entre o público mais idoso. “Com as pessoas mais idosas percebemos que é mais fácil utilizarmos o contato apenas telefônico e não com vídeo, mas inclusive eles estão se adaptando muito bem a esse sistema que garante o atendimento sem colocá-los em circulação e consequentemente em risco”, conclui.

 


Notícias relevantes: