Jundiaí

Mobilidade: Estanislau Steck quer implantar anel viário municipal

LOUVEIRA Além de priorizar o combate ao coronavírus, prefeito do PSD pretende construir anel viário para escoamento de produção e apoio à logística


DIVULGAÇÃO
Estanislau Steck prioriza o atendimento à covid neste momento, mas articula grande obra viária no município
Crédito: DIVULGAÇÃO

O prefeito de Louveira, Estanislau Steck (PSD) tem à sua frente, além do combate ao coronavírus, a concepção de uma obra de mobilidade urbana, com a criação de um anel viário municipal, para atender as empresas de Louveira, em especial a logística. Nesta entrevista exclusiva ao JJ, ele fala sobre os desafios do seu mandato:

JORNAL DE JUNDIAI: O que esperar em avanços e novidades no município para este ano e até o fim do mandato atual?

Estanislau Steck: Gostaríamos de estar comemorando novas conquistas, porém estamos apreensivos e com foco no combate à pandemia do coronavírus. Neste sentido, estamos equipando nossa educação com ferramentas de tecnologia e buscando em todas as áreas modernizar nossa gestão para tornar nossa cidade mais próspera e eficiente. Além de terminarmos todas as obras que recebemos inacabadas, estamos estruturando aquelas que vão dar a cara da nossa gestão: habitação popular, mobilidade urbana, hospital municipal, sustentabilidade ambiental e dar identidade à nossa cidade com portais e paisagismo.

Como lidar e também priorizar as outras pastas que não têm relação com a pandemia?

O governo todo está empenhado em cumprir o plano dos 100 dias e todas as secretarias estão passando suas demandas desde reformas, ampliações, adequações, porém nosso foco é saúde, educação e assistência social nesse momento.

Quais os maiores desafios em relação aos gastos públicos?

Recebemos uma prefeitura sem dívidas e com algum superávit, porém temos remanejado verbas para o enfrentamento da pandemia, tanto na saúde, com aumento de leitos, criação de Hospital de Campanha, contratação de pessoal técnico, quanto na assistência social, com a distribuição de cinco mil cestas básicas e cartões de R$ 200 por mês para as famílias de baixa renda.

Quais as áreas que a população mais pede por melhorias e qual o planejamento em relação a isso?

Precisamos urgentemente de um programa habitacional que atenda no mínimo mil famílias que sofrem com o aluguel caro e desproporcional ao salário pago aqui na cidade. Queremos prover a cidade com um Hospital Municipal no bairro Santo Antonio, além de melhorarmos nosso transporte público. Outra urgência são obras de mobilidade urbana, visto que nossa renda vem, na maior parte, de empresas de produção e logística que precisam de agilidade na circulação de seus produtos e, nesse sentido, vamos iniciar a implantação do anel viário municipal, que irá beneficiar as empresas e a população em geral.

Como administrar uma cidade em meio à sombra da pandemia?

Penso que a prioridade deve ser a preservação da vida e por isso estamos com uma intensa campanha de conscientização pela prevenção da doença, buscando, de todas as formas possíveis, a vacinação em massa para nossa população. O foco hoje é dar totais condições de trabalho aos profissionais da saúde e suprir com incentivos aos que mais sofrem os efeitos da pandemia.

Qual tem sido a relação de Louveira com o governo federal, em especial sobre o tema saúde?

Estamos procurando parcerias estaduais e federais tanto no combate ao coronavírus quanto na implantação do Programa de Saúde da Família, que pretendemos atingir 100% de nossa população, para que possamos dar um salto de qualidade em nossa atenção básica. Para nós, prevenir é muito melhor e mais barato do que remediar, quando há tempo para isso, inclusive!

Quais os desafios da mobilidade urbana na sua cidade?

Falo que Louveira não cresceu: ela inchou! Não houve planejamento, não houve um Plano Diretor que realmente coordenasse o crescimento da cidade e atualmente 80% de nosso orçamento vem de repasse do valor adicionado de ICMS de empresas que aqui produzem ou fazem logística. Desta forma, precisamos criar condições de mobilidade para carretas e caminhões circularem com rapidez e segurança por nossas ruas e estradas, interagindo com carros, motos, bicicletas e pedestres de maneira harmônica. É um trabalho que exige muito recurso, competência política e técnica, pois dependemos de Artesp, DER, CCR Autoban E Rota das Bandeiras, além dos governos estadual e federal para executarmos nosso tão sonhado anel viário municipal.


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: