Jundiaí

Campo Limpo prioriza saúde e quer descobrir uma nova vocação

INVESTIMENTOS Prefeito Luiz Braz quer colocar as contas e a manutenção em dia e busca apoios federal e estadual para melhorar a infraestrutura


Divulgação
Dr. Luiz Braz diz que Campo Limpo possui inúmeros desafios pela frente, como ampliar os serviços públicos, e tornar a cidade melhor para se morar
Crédito: Divulgação

O prefeito de Campo Limpo Paulista, Luiz Braz (PSDB), enfrenta uma árdua tarefa de colocar as contas em dia na prefeitura em meio à pandemia. Além de priorizar a saúde, há empenho na manutenção da cidade e descobrir uma nova vocação para o município, tornando-o cada vez mais digital, através de práticas que já começam a ser aplicadas.

JORNAL DE JUNDIAÍ: O que esperar em avanços e novidades no município para este ano e até o fim do mandato atual?

Dr. Luiz Braz: A situação que encontramos a prefeitura foi muito pior do que imaginávamos. Como também é maior o trabalho que estamos fazendo para recuperá-la. O abandono que assistíamos na manutenção de Campo Limpo Paulista era o mesmo dentro da prefeitura, e nossos primeiros dias foram dedicados a resolver problemas em todos os setores.

A cidade estava estagnada, mas sem dúvida, até pelo momento em que vivemos, a saúde é nossa maior demanda. Os nossos investimentos são muito grandes e estão exigindo bastante de nossa equipe a fim de darmos condições dignas de atendimento a nossa população.

Temos muitos desafios pela frente, claro. Primeiro fazer com que os serviços públicos funcionem como é preciso, em todos os segmentos. O cidadão precisa ser bem atendido. Resolver as condições de infraestrutura urbana, cuidar dos espaços públicos, enfim, voltarmos a ter uma cidade bem cuidada.

Temos que melhorar a autoestima da nossa população, resgatar o sentimento de gostar de morar aqui. Nesta trajetória, temos que capacitar nossa população, gerar empregos dentro do município. Uma grande parte dos trabalhadores viaja todos os dias para trabalhar fora, mal convivem com sua cidade.

Precisamos dar mais qualidade de vida para a nossa população. Já está na hora de Campo Limpo Paulista encontrar a sua real vocação. Esse é o caminho que gostaria de dar para a cidade nos próximos quatro anos.

Gostaria que a população visse a prefeitura uma grande parceira, principalmente nos momentos de crise. Vamos buscar manter sempre um diálogo com a comunidade, para criação de soluções mais eficientes e duradouras. Ou seja, vamos caminhar lado a lado na direção de edificar uma Campo Limpo Paulista próspera e humana.

Como lidar e também priorizar as outras pastas que não têm relação com a pandemia?

Hoje, tenho uma equipe preparada para a gestão. Isso faz toda diferença. Temos muitos jovens, mas também aliamos a eles pessoas mais experientes, técnica ou politicamente. Somos uma equipe muito unida, um time e assim estamos conseguindo tantas mudanças em tão pouco tempo.

Acho que temos tido uma atuação muito presente em todos os segmentos, com mudanças profundas. Estamos implantando a gestão 4.0 na Prefeitura, buscando a integração entre os setores e isso nos ajuda a superar as dificuldades.

Nesta semana, por exemplo, abrimos em poucos dias uma unidade sentinela no Centro, para atendimento covid, com ajuda de muitos setores. Na segunda, já foram atendidas no local 120 pessoas.

Quais os maiores desafios em relação aos gastos públicos?

O orçamento de Campo Limpo Paulista é pequeno e ainda encontramos diversos problemas, principalmente com o não pagamento de dívidas junto ao INSS, que bloqueiam o repasse do FPM (Fundo de Participação dos Municípios). Mas estamos resolvendo.

Porém, para fazer investimentos é preciso buscar apoio dos governos federal e estadual. Desde antes de assumirmos fazemos este trabalho de captação de recursos e temos boas perspectivas de conseguir recursos para Campo Limpo Paulista.

Quais as áreas em que a população mais pede por melhorias e qual o planejamento em relação a isso?

Acredito que seja a saúde, sempre, não é? Iniciamos um trabalho importante para melhorar a qualidade da atenção básica, ou seja, o atendimento preventivo nas unidades, porém, com a chegada da nova onda da pandemia acabamos tendo que voltar todo o sistema para a questão da covid. Mas já tínhamos conseguido agendamento de consultas em qualquer dia da semana, exames sem agendamento - pedidos que a população fazia com muita frequência.

Tivemos uma mudança drástica no hospital, com implantação de mais serviços por um preço menor. Um trabalho de gestão que está começando a mudar o atendimento do Hospital de Clínicas. Foram feitas muitas gestões inclusive para receber pacientes covid, passamos de 10 para 23 leitos de internação.

Mas, hoje, é difícil pensar qual área da cidade não precisa de atenção e investimentos. Reforço que precisamos melhorar a cidade, da qualidade de vida para nossa população e ser parceiros, Prefeitura e população, para encontrarmos a real vocação de nossa cidade

Como administrar a cidade em meio à sombra da pandemia?

A população espera realmente, nos momentos de crise, que a prefeitura exerça seu papel, que é o de tentar amenizar os efeitos desta pandemia. Temos tentado fazer isso nestes dois meses. Na educação, por exemplo, entendemos a necessidade de manter as aulas no formato virtual e adotamos o sistema Google, igual de muitas escolas particulares, para nossos alunos. O que só foi possível com um grande empenho da equipe de trabalho.

O IPTU, por exemplo, não demos aumento e ainda estamos prorrogando o pagamento para 30 dias da primeira parcela. Ainda estamos criando isenção para aposentados, benefícios para famílias em situação de vulnerabilidade e, mais para frente, vamos aplicar um processo de anistia.

Esse é um momento importante e temos que entender onde podemos agir, da melhor forma possível.

Qual tem sido a relação da cidade com o governo federal e estadual, em especial ao tema saúde e verbas repassadas?

Acredito que é importante a prefeitura manter uma boa relação tanto com o governo do Estado como Federal e isso vem ocorrendo.


Notícias relevantes: