Jundiaí

Aglomeração: 76% no 1º trimestre em relação a nove meses de 2020


DIVULGAÇÃO
De janeiro a março, 720 casos de aglomerações de pessoas em Jundiaí
Crédito: DIVULGAÇÃO

De 1º de janeiro a 30 de março deste ano, a Guarda Municipal de Jundiaí atendeu 720 casos de aglomeração de pessoas, justamente no período mais grave da pandemia do coronavírus em Jundiaí e em todo o Brasil. O número corresponde a 76% do total de casos registrados no período de toda a pandemia no ano passado, de 30 de março a 31 de dezembro de 2020 - quando foram feitos 950 atendimentos dessa natureza. Os dados são da própria GMJ. Da noite de quinta-feira (31) até a manhã de sábado (3) a Guarda Municipal de Jundiaí fez o atendimento de 30 denúncias referentes a aglomerações em praças, supermercados, condomínios e cachoeiras.

Na última terça-feira, quando esses números foram consolidados, as UTIs de Jundiaí chegaram a 97% de ocupação em leitos públicos e 91% em privados. Após um aumento exponencial de casos da doença, nas últimas semanas, a cidade chega a 525 leitos apenas para pacientes covid-19. Boa parte deles está na UTI e necessita de ventilação mecânica.

O momento crítico obrigou a Guarda Municipal, junto com outras forças de segurança, a apertar o cerco contra aglomerações na cidade, além da instalação de blitze educativas. O trabalho vem sendo desempenhado por uma fiscalização integrada que também conta com Polícia Militar, Fiscalização do Trânsito, Fiscalização do Comércio e Procon. Os casos de aglomeração são atendidos após denúncias no telefone 153 e no APP Jundiaí.

"Não é razoável que, em um momento como esse, com uma nova variante do coronavírus, as pessoas ainda se aglomerem e ofereçam risco de contaminação às outras", explica o gestor de Governo e Finanças da Prefeitura de Jundiaí, José Antonio Parimoschi. "Estamos no meio de uma guerra, contra um vírus que se multiplica de forma exponencial e muito rápida. De nossa parte, estamos executando nosso plano de contingência em saúde e fazendo todos os esforços para evitar que o sistema de saúde do município sature e para que todos que precisem de um leito hospitalar ou de uma UTI, nos casos mais graves da doença, não fiquem sem respaldo. Essa é a determinação do prefeito Luiz Fernando."

Combate aos "pancadões"

O número de casos dos chamados "pancadões", de 1º de janeiro a 30 de março de 2021, foram 35 ocorrências atendidas pela corporação, 68% do total do período da pandemia no ano passado, de 30 de março a 31 de dezembro de 2020, quando foram registrados 52 casos de "pancadão".

Desde o início do ano, a GMJ também atendeu 105 ocorrências em apoio à Fiscalização do Comércio e 80 ocorrências em apoio ao Procon e à Vigilância Sanitária.


Notícias relevantes: