Jundiaí

Segredo do sucesso na redação do Enem é treinar escrita e leitura

2020 Alunas jundiaienses que conseguiram 960 de pontuação contam como foi a preparação para a tão temida prova, que conta muito para as universidades


ARQUIVO PESSOAL
Thaís Francisco revela que fazia de duas a três redações diariamente
Crédito: ARQUIVO PESSOAL

O resultado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) foi divulgado no último dia 29 de março e, das cinco provas realizadas, a mais temida pelos alunos era a redação. Valendo mil pontos, ela praticamente definia a vida do estudante.

Em Jundiaí, duas estudantes se destacaram ao dissertar sobre o tema 'o estigma associado às doenças mentais'. Elas alcançaram 960 pontos e revelaram o segredo para o sucesso da prova. Aos 17 anos, Thaís de Jesus Francisco, tinha uma rotina de estudos intensa e sempre foi muito dedicada e esforçada, por isso não se surpreendeu com a nota. "Fazia duas ou três redações por dia. Estudava muitas citações e alusões e também os temas de redações anteriores que o Enem divulga", afirma.

A estudante, que deseja prestar odontologia ou ciências contábeis, ficou feliz com o tema, pois dominava bem o assunto. "Um mês antes do Enem eu estudei sobre às doenças mentais. Quando vi o tema da redação eu fiquei feliz, pois eu já tinha um ideia sobre o que falar. Contudo, na minha opinião, o tema não importa se durante o ano o inscrito estudar bastante e entender as regras. Dá para elaborar uma boa dissertação", explica.

Para Thaís, a pandemia ajudou nos estudos. "Em meio a esse tempo difícil tive que elaborar um cronograma de estudo. Aproveitei esse tempo de pandemia para me dedicar totalmente aos estudos", relata.

Para aqueles que vão prestar as próximas edições, a dica é simples: treino. "Treinar a escrita e a dissertação e estudar muitas citações, alusões, pontuações da Língua Portuguesa e conectivos. Além de ler muito e se manter atualizada são fundamentais para uma boa nota", aconselha.

FOCO

A jovem Elauane Costa Businaro, 18 anos, deseja estudar medicina e no ano passado começou um curso pré-vestibular. Mesmo com seus esforços ficou surpreendida com seus 960 pontos. "Em 2020 eu comecei um curso pré-vestibular e nele tínhamos aulas de redação que incluíam as estruturas solicitadas pelos vestibulares e temas atuais que poderiam cair. Em média realizávamos três redações por mês", afirma.

Elauane não imaginava a nota alta, mesmo sabendo que era um tema que tinha conhecimento. "Acredito que por ser um tema muito complexo e delicado de se argumentar não seria tão alta. Imaginava que poderia ser mais de 800, pois no ano anterior tirei 780 com um tema que me pegou totalmente desprevenida. Esse eu dominava, pois terminei um curso técnico e meu trabalho de conclusão de curso tinha relação com a felicidade e como ela afetava a saúde mental das pessoas", revela.

Manter-se atualizada e pesquisar muito sobre o assunto auxiliou a jovem na argumentação. "É muito satisfatório abrir o caderno de questões, bater o olho no tema e saber o que escrever", relata.

Elauane usou o tempo da pandemia para se beneficiar e focar nos estudos. "Eu saía de casa às 7h para trabalhar meio período, chegava por volta de 13h e já tinha que entrar na vídeochamada do curso técnico de administração que durava a tarde inteira. A quarentena ajudou a focar nos estudos", relata.


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: