Jundiaí

Média de 35% das mulheres têm dificuldade para engravidar

Entre 10% a 25% das mulheres com endometriose necessitam de tratamento de reprodução


ARQUIVO PESSOAL
Armando Junior diz que 90% das mulheres apresentam refluxo menstrual
Crédito: ARQUIVO PESSOAL

Conhecida como uma doença inflamatória caracterizada pelo crescimento ectópico de endométrio, mucosa que reveste internamente o útero, a endometriose aparece mais comumente a partir da adolescência chegando até a fase adulta.

Segundo especialistas, até 35% das mulheres com endometriose têm dificuldades em engravidar e, entre 10% a 25% delas necessitam de tratamento de reprodução assistida. O ginecologista Armando Antunes Junior, vice-diretor clínico do Hospital Universitário de Jundiaí, explica que cerca de 90% das mulheres apresentam refluxo menstrual, mas apenas 10% dessas mulheres desenvolvem a doença.

"É uma doença rara na pré menarca e na pós-menopausa, mas é preciso ficar atento às intensas cólicas menstruais, um sinal de alerta principalmente quando mostram um agravamento progressivo. A endometriose acomete cerca de 20% de mulheres em idade reprodutiva e corresponde a 40% das queixas de dor pélvica crônica nos consultórios", ressalta.

A DOENÇA

A endometriose ocorre possivelmente em decorrência da chamada menstruação retrógrada, processo em que o refluxo menstrual vai pelas tubas uterinas em direção à cavidade pélvica. Porém, ainda não existe uma causa bem definida para que isso ocorra. Há uma suposição que esse processo pode surgir por fatores imunológicos e genéticos, dentre outros.

Segundo o ginecologista a doença é muito mais comum do que imaginamos, principalmente nos casos iniciais e que é preciso estar muito atento a queixa clínica da paciente, pois pode variar de mulher para mulher.

"A dor pélvica é o principal sintoma. A dor é habitualmente intensa e cíclica (coincide com a menstruação), eventualmente associada a menstruação abundante. Os sintomas podem iniciar dias antes da menstruação e as dores podem variar variar muito em intensidade e nem sempre a intensidade da dor se correlaciona com a extensão da doença", explica.

Quando se trata de uma endometriose profunda (infiltrativa), os sintomas podem incluir dor na relação sexual, dor lombar e no baixo ventre. "Se a bexiga ou intestino grosso estiverem envolvidos, poderá existir perda de sangue cíclica (coincidente com o período menstrual), na urina ou nas fezes, respectivamente", explica.

(Da Redação)

 


Notícias relevantes: